quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

AABB-C e A VENCE A V COPA CENTRO-OESTE


Os campeões José Ricardo, Antônio Carlos e Eduardo

Mais uma vez (pelo quinto ano consecutivo), a AABB-Brasília sediou a Copa Centro-Oeste Interclubes de Futebol de Mesa, disputada nos dias 28 e 29 de novembro de 2009, com a presença de dez equipes, sendo cinco de Brasília (DF), uma do Gama (DF), uma da Cidade Ocidental (GO), duas de Goiânia (GO) e uma convidada, o Rio Branco, de Americana (SP).
Pela primeira vez, as equipes foram formadas por três técnicos.
As equipes que representaram Brasília foram:
AABB-1 (de Brasília-DF): Jan Buarque, Marcelo Silva, Marcos Mendes (Marquinhos) e Paulo César Faria;
AABB-C e A (de Brasília-DF): Antônio Carlos Almeida, Eduardo Almeida e José Ricardo Almeida;
AABB-Planalto (de Brasília-DF): Adolpho Parente, Luiz Cláudio Caruso, Rodrigo Caruso (Digão) e Tarcízio Dinoá Junior;
AABB-Prata: Einstein Martins, José Paulo Neto, Lucas Porto, Marcelo Porto e Washington Pires;
AABB-Sport: Donisete Medeiros, Paulo Roberto Holanda (Paulão) e Roberto Pessoa.
Defenderam o futebol de mesa de Goiânia duas equipes do Atlético Goianiense, a saber:
Atlético Goianiense-1: Alberto Chaer, Francisco José e Thiago José;
Atlético Goianiense-2: Filipe Ribeiro, Joaquim de Sá e Wagner de Sá.
A cidade-satélite do Gama foi representada pela equipe do Gama, formada por André Brandão, Paulo Airton e Paulo Airton Junior.
A equipe da Cidade Ocidental (GO) foi formada pelos botonistas Leonardo Brandão, Márcio Gomes e William Dias.
A equipe convidada deste ano foi a do Rio Branco, de Americana (SP), que teve a defendê-la os técnicos Celso de Assis, Gilney Medeiros e Luiz Humberto Magrini (Beto).
Na primeira fase, disputada no dia 28 de novembro, as dez equipes foram divididas em dois grupos, dos quais os dois primeiros colocados se classificavam para a fase final do certame e as demais disputariam a Taça de Prata.
O Grupo A foi formado pelo Atlético Goianiense-1, AABB-C e A, AABB-Prata, AABB-Sport e Gama.
Já o Grupo B foi composto do Atlético Goianiense-2, AABB-1, AABB-Planalto, Ocidental e Rio Branco.
No Grupo A, a equipe da AABB-C e A venceu seus quatro jogos, classificando-se em primeiro lugar, totalizando 12 pontos ganhos. A equipe nº 1 do Atlético Goianiense ficou com a segunda colocação, com nove. A AABB-Prata ficou em terceiro, com 4 pontos ganhos, o Gama, em quarto, com 3 e a AABB-Sport, em quinto lugar, com um ponto ganho.
A equipe da AABB-Planalto também venceu os quatro jogos que disputou no Grupo B e ficou com a primeira colocação, também somando 12 pontos ganhos. AABB-1 e Rio Branco totalizaram sete pontos ganhos na segunda colocação, sendo que o critério “saldo de gols” deu o segundo lugar ao clube de Brasília. O jogo que decidiu a segunda vaga do Grupo B foi tão equilibrado que os três jogos individuais terminaram empatados (Paulo César 2 x 2 Beto, Jan 1 x 1 Gilney e Marquinhos 2 x 2 Celso). Com isso, a AABB-1 terminou com 5 gols de saldo e o Rio Branco apenas dois. Nas demais colocações tivemos: 4º ACG-2, um ponto ganho, e 5º Ocidental, também com apenas um ponto ganho.
As semifinais e os grupos da Taça de Prata foram disputados no domingo, dia 29.
Na primeira semifinal, a AABB-C e A venceu a AABB-1, por 2 x 0, com as seguintes parciais: Eduardo 3 x 1 Jan, José Ricardo 3 x 0 Marquinhos e Antônio Carlos 1 x 1 Marcelo Silva.
Na outra semifinal, a AABB-Planalto venceu nas três mesas, marcando o placar de 3 x 0 a seu favor (Digão 2 x 0 Francisco, Tarcízio 2 x 1 Thiago e Adolpho 3 x 0 Alberto).
Com esses resultados, qualificaram-se para a final a AABB-C e A e a AABB-Planalto. Esta, jogava pelo empate pois tinha um gol a mais de saldo. Escalados os times e feito o sorteio dos emparceiramentos, os confrontos colocaram frente a frente seis técnicos até então invictos na competição. Na primeira mesa, Tarcízio e Antônio Carlos. Na segunda, Adolpho e Eduardo e, na terceira, Luiz Cláudio e José Ricardo.
Na primeira mesa, apesar das inúmeras chances de gol, principalmente a favor de Tarcízio, o placar não foi mexido: 0 x 0.
Na segunda, um jogo disputadíssimo entre Adolpho e Eduardo, com várias chances de gol de cada lado, bolas nas traves, chegou até o final, pouco antes do toque do relógio, em 1 x 1, quando Adolpho cometeu uma falta, convertida por Eduardo no gol da vitória.
Na terceira mesa, apesar de um início ligeiramente melhor de José Ricardo, foi Luiz Cláudio que abriu o marcador. Ainda no primeiro tempo, José Ricardo empatou. No segundo tempo, num contraataque, José Ricardo marcou 2 x 1. Quando faltavam poucos minutos para o final do jogo, Luiz Cláudio provocou uma falta num jogador colocado na defesa de seu adversário, esperando por um rebote. Sabiamente, José Ricardo lançou para um atacante próximo ao gol de Luiz Cláudio e só rolou a bola no canto, definindo o jogo em 3 x 1.
Estava, assim, definida a Copa Centro-Oeste a favor da equipe C e A, formada pelos irmãos Caldas e Almeida (Antônio Carlos, Eduardo e José Ricardo).


Brilhante participação da equipe da AABB-Planalto.
Na foto: Tarcízio, Adolpho, Domingos (Presidente da FBFM), Luiz Cláudio e Digão


O Atlético Goianiense-1 ficou com a terceira colocação.
Na foto: Francisco, Jan Buarque (o nome do troféu), Alberto e Thiago


A AABB-1 ficou em quarto lugar.
Na foto: Marcelo Silva, Domingos (Presidente da FBFM), Jan e Paulo César


Os troféus receberam os nomes de seis técnicos de Brasília que estavam completando 30 anos na regra três toques. Pelo critério de ordem alfabética, assim ficaram os nomes: 1º lugar – Antônio Carlos Almeida, 2º Eduardo Almeida, 3º Jan Buarque e 4º José Ricardo Almeida; Campeão da Taça de Prata - Luiz Cláudio Caruso e Vice-Campeão da Prata - Paulo Caruso.

TAÇA DE PRATA


Os campeões da Taça de Prata com Domingos, Presidente da FBFM:
Washington, Marcelo Porto e Lucas

AABB-Prata e AABB-Sport e mais o Atlético Goianiense-2 formaram o Grupo C da Taça de Prata. A AABB-Prata venceu seus dois adversários (2 x 1 AABB-Sport e 2 x 0 ACG-2) e qualificou-se para disputar a final com o primeiro colocado do Grupo D.
Este grupo, formado pelo Rio Branco, Ocidental e Gama, também apresentou a vitória do Rio Branco sobre seus dois adversários (2 x 1 Ocidental e 3 x 0 Gama), ficando com a primeira colocação.
Assim, a final da Taça de Prata seria entre AABB-Prata e Rio Branco. Três jogos equilibradíssimos deram a vitória de 2 x 0 para a AABB-Prata: Washington 1 x 0 Celso, Lucas 1 x 1 Beto e Marcelo Porto 1 x 0 Gilney.

Individualmente, a melhor campanha foi a de Eduardo Almeida, único técnico com 100% de aproveitamento. Venceu os seis jogos que disputou. A seguir, com 89% de aproveitamento (cinco vitórias e um empate), José Ricardo Almeida, Marcelo Porto e Tarcízio Dinoá Junior. Também invicto (quatro vitórias e dois empates), Antônio Carlos Almeida alcançou o percentual de 78% de aproveitamento. O trio da AABB-Planalto (Adolpho, Digão e Luiz Cláudio) teve 75% de aproveitamento.

DESTAQUE DA COMPETIÇÃO


Filipe Ribeiro

Na opinião da Diretoria Técnica da V Copa Centro-Oeste, o destaque da competição foi o técnico FILIPE RIBEIRO, do Atlético Goianiense-2.
Devido a sua pouca idade (16 anos) e inexperiência em competições interestaduais (começou na regra em 2008), ele começou tomando uma “sapecada” do Adolpho: 5 x 0. Não se abateu e, logo depois, empatou em 1 x 1 com o experiente Gilney. Sua segunda derrota na competição aconteceu diante de outra fera, Paulo César: 2 x 0. Porém, seu grande resultado aconteceria ainda na primeira fase da competição. Perdia para William Dias por 3 x 0. Sem se perturbar com a adversidade, virou para 4 x 3.
Na Taça de Prata, dois empates com técnicos de Brasília coroaram sua boa participação na Centro-Oeste: 1 x 1 diante de Paulão e um 0 x 0 com o Lucas Porto (diga-se, de passagem, um outro bom garoto do futebol de mesa).
Parabéns, Filipe! Continue persistindo que logo alcançará resultados ainda mais expressivos.

domingo, 22 de novembro de 2009

FOGÃO CAMPEÃO DA PRATA




Na noite do dia 17 de novembro último, aconteceu na AABB-Brasília a final da Taça Brasília 2009 – Série Prata.
Qualificados para esta final, Einstein Martins (Ciranda), campeão do 1º Turno, e Washington Pires (Fogão), campeão do 2º e que, por ter feito melhor campanha em todo o campeonato, jogava por dois resultados iguais. Foi escalado para realizar a arbitragem dos dois jogos regulamentares o 3º colocado da competição, o técnico do Araçatuba, Marcelo Porto.
O primeiro jogo da decisão começou sem muita emoção, com os adversários se respeitando mutuamente. O primeiro chute a gol aconteceu após uma falta feita pelo técnico Einstein, na defesa do Fogão. Diante da surpresa do lance inesperado, Washington fez uma rolada despretensiosa, porque seus atacantes estavam bem marcados. Ainda assim, a bola caiu na frente e próxima de um de seus atacantes, que no arremate não desperdiçou. Fogão 1 x 0. Aproveitando-se do abalo do técnico Einstein, antes de terminar a 1ª etapa o representante do alvinegro carioca ainda arremessou duas bolas na trave.
No retorno do intervalo, o time do Ciranda (melhor ataque do campeonato) foi para cima do Fogão, mas a melhor defesa da competição segurou o ímpeto do “carrossel holandês (o time é laranja!).
Mas, em uma decisão de 100 minutos (dois jogos), com certeza o time em desvantagem partiria para cima.
No segundo jogo, o que se viu foi uma artilharia pesada do Ciranda para cima de um adversário acuado que era o Fogão. No primeiro ataque do Ciranda, no início do jogo, em uma bola fácil, o zagueiro do Fogão fez pênalti. Cobrança perfeita, bola para um lado, goleiro para o outro: Ciranda 1 x 0.
Este resultado ainda dava o título ao Fogão. Tudo mudou quando, em uma bola recuada para o goleiro, dentro da grande área, o zagueiro do Fogão meteu para as próprias redes. Gol contra: Ciranda 2 x 0.
Agora, a taça caminhava para as mãos do técnico do Ciranda, em virtude do time do Fogão não conseguir acertar nada.
Na etapa derradeira, o Fogão deu a saída e conseguiu armar uma jogada no grande círculo, na hora do chute, a bola foi interceptada pelo zagueiro do Ciranda na entrada da grande área.
Parecia que Washington não teria forças para reagir, porque Einstein continuava chutando bolas ao gol do adversário e Washington não aproveitava os contra-ataques.
Faltavam seis minutos para o término do jogo e do campeonato quando o Fogão arrumou uma jogada próxima a grande área, de frente para o crime. Mas em uma jogada excepcional, Einstein tirou a bola. Outra chance daquela dificilmente aconteceria.
Três minutos para o fim. Contra-ataque perfeito do Fogão, outra jogada de frente para o gol. Na hora de proteger a jogada o jogador corre mais do que o necessário, dando ampla condições do zagueiro do Ciranda tirar a bola. Para surpresa de todos, o zagueiro não chegou e aí o Fogão não perdoou. Gol.
O placar de 2 x 1 não interessava para o Ciranda e logo após a saída de bola, ele começou a fazer jogadas próxima a linha do meio de campo. Mas, em uma destas jogadas, Einstein bloqueou o lance no seu campo de defesa. Tiro livre indireto para o Fogão. Washington rolou a bola para o seu campo de defesa, depois deu um passe no ataque e pediu “para o gol”. Os “deuses do futebol de mesa” deixaram o destino desta partida no chute de um jogador botafoguense de nº 13, Zagallo. Prato feito para os supersticiosos! O que aconteceu? Gol.
Fogão 2 x 2 Ciranda. Depois do empate, foi só esperar o apito final do competente árbitro Marcelo Porto. Fogão Campeão!
A Federação Brasiliense de Futebol de Mesa parabeniza a todos os participantes da Série Prata da Taça Brasília, em especial aos finalistas pela final digna deste esporte tão empolgante que é o futebol de mesa.

NÚMEROS FINAIS

Em todo o campeonato, foram realizados 81 jogos e marcados 230 gols, alcançando-se a média de 2,8 por jogo.
O melhor ataque do campeonato foi o do Ciranda, com 44 gols, seguido do Araçatuba, com 37, Fogão, 30 e Napoli, 29.
Já a melhor defesa foi a do Fogão, com apenas 9 gols contra. A segunda melhor retaguarda pertenceu ao Leão do Norte (Paulo Roberto Holanda), com 10. O Araçatuba teve a terceira melhor defesa, com 17 gols contra.
O artilheiro da Série Prata da Taça Brasília foi o nº 22, do Araçatuba, com 16 gols. Na segunda colocação, o nº 13, do Ciranda, com 12. Colado nele, o nº 11, do Fogão, com 11 gols. Logo depois, o nº 1 do Ciranda, com 10.

Estas foram as demais colocações do campeonato:
4º - Paulo Roberto Holanda (Leão do Norte), 32 pontos ganhos;
5º - Roberto Pessoa (Napoli), 28;
6º - Marco Antônio Tierno (Mandrake), 18;
7º - Marcus Amorim (Manto Sagrado), 10;
8º - Wellington Cristiano (Urubu), 10;
9º - José Paulo Neto (Exor), 8.

Obs.: o técnico Alcides Figueira Filho (Palmeiras) disputou apenas o primeiro turno.

sexta-feira, 13 de novembro de 2009

PAULO CÉSAR VENCE TAÇA BRASÍLIA PELA QUINTA VEZ




A 24ª edição da Taça Brasília de Futebol de Mesa, o campeonato individual da Federação Brasiliense de Futebol de Mesa, teve sua definição na noite de 12 de novembro, na AABB.
Conforme previsto no regulamento do torneio, a decisão se daria em dois jogos, ambos arbitrados pelo terceiro colocado (José Ricardo Almeida), entre o campeão do 1º turno, o Amigos, de Paulo César Faria, e o vencedor do 2º turno, a Juventus, de Eduardo Almeida.
Por somar o maior número de pontos em todo o campeonato, Paulo César jogava por dois empates, ou dois resultados, vitória e derrota, com a mesma diferença de gols.
Às 20 horas e dez minutos teve início o primeiro jogo.
Os técnicos começaram o jogo com bastante cautela, com as defesas sobressaindo sobre os ataques.
Depois que conseguiu marcar seu primeiro gol, Paulo César dominou amplamente o jogo, chegando aos 2 x 0 e perdendo boas oportunidades para ampliar o marcador, o que praticamente decidiria o torneio a seu favor. Eduardo parecia que havia sentido o golpe dos dois primeiros gols e não conseguia acertar seus passes. Quando acertava, a bola caprichosamente ia para o lado que facilitava a tirada pela defesa de Paulo César.
Por outro lado, Paulo César estava muito bem na armação de suas jogadas. Jogando com o resultado a seu favor, colocava sempre Eduardo em situação de perigo de gol. Mas o resultado não foi alterado e terminou mesmo 2 x 0 a favor de Paulo César.
Com isso, só perderia o campeonato se sofresse uma derrota com pelo menos três gols de diferença no segundo jogo.
As maiores emoções estavam guardadas para o jogo seguinte.
Como todo bom botafoguense, supersticioso, Eduardo solicitou que fosse trocada a bolinha.
No segundo jogo, logo no começo da partida, Eduardo errou uma chegada na sua defesa. Ainda assim, a bola ficou perto de um jogador seu. Paulo César pediu a gol. Incrível, fez falta. Na cobrança da falta, Eduardo marcou seu primeiro gol.
A sorte parecia que tinha mudado de lado. Poucos minutos depois, ao tentar tirar uma bola na sua defesa, Eduardo cometeu falta frontal, na sua intermediária. Paulo César cobrou e acertou o meio do goleiro de Eduardo. No rebote, a bola voltou próxima a um jogador do Eduardo. Este armou a jogada e fez o segundo gol. Tudo isso com menos de dez minutos de jogo.
As coisas continuavam dando certo para Eduardo. O terceiro gol saiu minutos depois, num chute que parecia não oferecer perigo ao gol de Paulo César, pois a bola estava muito próxima do jogador de Eduardo, no meio-de-campo. Como não tinha mais nada para fazer, Eduardo pediu a gol. Paulo César adiantou o goleiro, pois não havia condições dele ser encoberto. A bola caprichosamente entrou rasteirinha no canto do goleiro. Logo depois, terminou o primeiro tempo com o placar de 3 x 0 favorável ao Eduardo.
Parecia que Eduardo venceria com uma certa tranqüilidade. Mas, o futebol de mesa também tem seus mistérios e surpresas.
Antes de completarmos os cinco primeiros minutos do segundo tempo, numa bola fácil de ser tirada, Paulo César cometeu falta. Se Eduardo convertesse, colocava uma das mãos na taça. Cobrada a falta, a bola acertou a trave e saiu pela linha de fundo.
Na cobrança do tiro de meta, Paulo César chegou muito bem numa jogada pela ponta direita. Mesmo assim, Eduardo conseguiu tocar a bola. Tentou jogá-la para um lugar da mesa onde Paulo César não conseguisse armar o contra-ataque. Desta vez não foi feliz. Aproveitando-se do posicionamento de dois jogadores em impedimento, Paulo César conseguiu armar uma jogada dentro da área de Eduardo. Resultado: primeiro gol de Paulo César. Este gol já lhe dava o título.
Mas o jogo ficou mais nervoso e os erros aumentaram. Num deles, Paulo César poderia armar uma boa jogada pela direita. Ao dar o primeiro toque ainda na sua defesa, a bola ultrapassou a linha de meio-de-campo. Poderia tentar o passe no segundo lance, no ponta-direita mas, usando de toda a sua experiência, preferiu colocar seu jogador próximo a bola, protegendo-a. Eduardo tentou tirar a bola, esta bateu no jogador de Paulo César. Ele deu um pequeno corte na bola, acertou o passe no meio-de-campo, com a bola sobrando para o chute de um jogador colocado na sua defesa. O chute, um pombo sem asa, um canudo, cobriu o goleiro, estufando as redes.
Eduardo ainda teve a chance de marcar o quarto gol, que poderia colocar fogo no jogo. Num chute cruzado, acertou o travessão e a bola saiu pela lateral.
Daí em diante, praticamente não teve mais jogo. Eduardo tentando acertar os passes na correria, errando mais do que acertando. Paulo César segurando a bola, com bastante técnica, sem arriscar.
Toca o relógio. Paulo César pôde comemorar seu quinto título de Taça Brasília. Os outros foram nos anos de 1995, 2002, 2004 e 2005.
Parabéns, The Doctor.
As demais colocações foram ocupadas por: 3º José Ricardo Almeida (Estrela Solitária), 4º Jan Buarque (Corinthians), 5º Adolpho Parente (Cavalo de Tróia), 6º Marcelo Silva (Titânico), 7º Antônio Carlos Almeida (Verdão), 8º Rodrigo Caruso (Meninos da Vila), 9º Luciano Sampaio (Sampa), 10º Sérgio Motta (Mengole) e em 11º lugar, Luiz Cláudio Caruso (Triturador) e Marcelo Motta (Raça), ambos eliminados do campeonato porque ultrapassaram o limite de WOs.

quinta-feira, 29 de outubro de 2009

EDUARDO ALMEIDA (Juventus) VENCE O 2º TURNO DA TAÇA BRASÍLIA


Tal qual aconteceu no primeiro, o segundo turno da Taça Brasília - Série Ouro também teve sua definição na última rodada. Mais uma vez tivemos jogos bastante equilibrados, decididos nos pequenos detalhes.
O segundo turno da Série Ouro da Taça Brasília foi realizado no período de 6 a 27 de outubro. Era para contar com a participações dos 12 técnicos que disputaram o primeiro turno, mas, infelizmente, problemas alheios à vontade de dois (Luiz Cláudio Caruso - Triturador e Marcelo Motta - Raça), fizeram com que essa etapa da Taça Brasília contasse com apenas dez.
Mas, nem por isso, faltaram emoções e jogos muito bem disputados.
Chegamos a última rodada, no dia 27 de outubro, com seis técnicos com chances matemáticas. O único que dependia exclusivamente de seus próprios esforços para conquistar o segundo turno era Eduardo Almeida, que somava 22 pontos e realizaria dois jogos (Adolpho e Sérgio Motta), podendo, portanto, chegar aos inalcançáveis 28 pontos. Também poderia conquistar o turno com outras combinações. Era o maior favorito!
Jan Buarque (Corinthians) tinha um jogo a mais que Eduardo e somava 23 pontos ganhos. Torcia para que Eduardo perdesse os dois jogos e teria que vencer seu último jogo, contra José Ricardo, chegando aos 26 pontos. Também teria que torcer contra Paulo César Faria, que tem dois jogos (Sérgio Motta e Adolpho), e também poderia chegar aos 26 pontos. Aí a definição seria através dos critérios de desempate.
Também com dez jogos realizados e 21 pontos ganhos, Rodrigo Caruso (Meninos da Vila) torcia por uma grande combinação de resultados que poderia lhe dar o título do segundo turno. Seu último jogo seria contra José Ricardo e teria que vencer, chegando aos 24 pontos ganhos e passando a secar seus adversários numa grande combinação de resultados para ficar com o título.
Com 20 pontos ganhos e nove jogos, José Ricardo Almeida (Estrela Solitária) torcia, primeiramente, para que Eduardo não vencesse seus dois jogos. Depois, teria que vencer os dois jogos que tinha para fazer, contra Rodrigo Caruso e Jan Buarque. Dependendo dos resultados, poderia entrar como o técnico de melhor campanha em toda a Taça Brasília, torcendo para que Paulo César Faria perdesse um e empatasse o outro jogo que teria.
Paulo César Faria (Amigos), também com 20 pontos ganhos em nove jogos, teria que vencer seus dois jogos (Motta e Adolpho) e torcer contra os demais cinco técnicos para conquistar o segundo turno e de forma antecipada a Taça Brasília. Vencendo um dos seus jogos, tiraria a chance de José Ricardo Almeida passar a ser o técnico com mais pontos.
O último com chances matemáticas era Adolpho Parente (Cavalo de Tróia), que chegou na última rodada com 18 pontos ganhos e nove jogos e dependeria de vários resultados negativos de seus cinco adversários para ainda ter chances de ficar com o título. Somente esta combinação daria o título ao Cavalo de Tróia: vitória ou empate do Mengole contra Amigos e Juventus; vitórias do Cavalo de Tróia sobre os mesmos adversários do Mengole; vitória do Meninos da Vila sobre o Estrela Solitária e deste contra o Corinthians; neste caso, empataria com o Meninos da Vila e a decisão seria nos critérios de desempate. Uma vitória do Juventus ou do Corinthians ou duas vitórias do Amigos e Estrela Solitária acabariam com as suas chances.
E a bola começa a rolar.
No único jogo que não interferiria na disputa pelo título, Marcelo Silva (Titânico) venceu Luciano Sampaio (Sampa), por 2 x 0. Nos outros dois, adrenalina a mil. A Juventus de Eduardo Almeida botou uma das mãos na taça ao vencer Adolpho, por 2 x 0. No outro jogo, Mengole e Amigos empatavam até o final do jogo. Faltando um minuto para o término do jogo, Paulo César arma uma jogada na entrada da meia-lua e chuta do meio do goleiro de Motta. A bola bate ainda num jogador seu (passe) e, para não deixar a bola em sua defesa tenta jogá-la o mais longe possível e na lateral. Acontece que a bola sai em lateral pró-Motta. Este lança para o ataque, arma a jogada de frente para o gol de Paulo César. Tudo isso, já nos acréscimos. Paulo César tenta tirar a bola e faz falta. Motta bate e converte em gol: 1 x 0.
Após esses resultados, Adolpho e Paulo César não tinham mais chances de ganhar o segundo turno.
Veio a segunda rodada, com apenas dois jogos. Um, envolvendo candidatos ao título do turno: José Ricardo Almeida e Rodrigo Caruso. José Ricardo venceu por 2 x 0, também eliminando as possibilidade de Rodrigo Caruso ganhar o returno. No outro jogo, Antônio Carlos Almeida (Verdão) 2 x 1 Luciano Sampaio.
Chegamos a terceira e decisiva rodada, com três técnicos ainda sonhando com o título de campeão do 2º turno: Eduardo, Jan e José Ricardo.
Primeiramente, no jogo que acabou com as chances de José Ricardo disputar o triangular final como técnico de melhor campanha, Paulo César venceu Adolpho, por 1 x 0.
Em jogo muito bem disputado e bastante equilibrado, Jan e José Ricardo empataram em 2 x 2. O curioso é que esse resultado fez com que ambos ficassem com campanhas exatamente iguais no segundo turno.
No jogo que decidiu o segundo turno, Eduardo venceu Sérgio Motta por 2 x 0 e garantiu sua presença na finalíssima, contra Paulo César Faria, em dois jogos.
A campanha do campeão foi a seguinte: 11 jogos, 9 vitórias, 1 empate e 1 derrota, 18 gols a favor e 4 contra, somando 28 pontos ganhos, com aproveitamento de 84,8%. Seu aproveitamento foi um pouco melhor que o de Paulo César no primeiro turno (82%).
Conforme estabelece o regulamento da Taça Brasília, caso um técnico vencesse os dois turnos seria declarado automaticamente campeão. Acontecendo de dois técnicos vencerem os turnos, estes decidirão a Taça em dois jogos. A outra hipótese seria a de um terceiro técnico somar mais pontos que os dois campeões de turnos. Assim, aconteceria um triangular final para apontar o campeão de 2009.
A classificação final do 2º turno foi a seguinte:
CAMPEÃO: Eduardo Almeida (Juventus), 28 pontos ganhos;
VICE-CAMPEÕES: José Ricardo Almeida (Estrela Solitária) e Jan Buarque (Corinthians), 24 (detalhe: ambos com 11 jogos, 7 vitórias, 3 empates e 1 derrota; 17 gols a favor e 9 contra);
4º - Paulo César Faria (Amigos), 23;
5º - Rodrigo Caruso (Meninos da Vila), 21;
6º - Adolpho Parente (Cavalo de Tróia), 18;
7º - Marcelo Silva (Titânico), 16;
8º - Sérgio Motta (Mengole), 13;
9º - Antônio Carlos Almeida (Verdão), 12;
10º - Luciano Sampaio (Sampa), 7.
A final da Taça Brasília 2009 – Série Ouro deverá acontecer no próximo dia 12 de novembro, a partir das 20 horas, na AABB.
Pelo segundo ano consecutivo (em 2008 foi Luciano Sampaio) poderemos ter um campeão inédito (Eduardo Almeida). Se não acontecer isso, será o quinto título de Taça Brasília de Paulo César Faria.

ESTATÍSTICAS DA 24ª TAÇA BRASÍLIA

Sem considerar os dois jogos que faltam, os números da 24ª Taça Brasília 2009 são os seguintes:

JOGOS REALIZADOS = 132
GOLS ASSINALADOS = 278
MÉDIA DE GOLS POR JOGO = 2,1

O melhor ataque foi o do Estrela Solitária, com 36 gols, seguido por Amigos (31), Juventus e Cavalo de Tróia (29) e Corinthians e Verdão (28).
Já a melhor defesa foi a da Juventus, com 12 gols sofridos. Com um gol a mais, a defesa do Amigos (13). A seguir aparece a defesa do Estrela Solitária, com 15. Os demais técnicos sofreram para mais de 20 gols.
O botão-artilheiro foi o nº 11 do Estrela Solitária, com 13 gols. Na segunda colocação ficaram os nºs 7 do Cavalo de Tróia e do Verdão e o nº 11 do Corinthians, os três com 7 gols. Com 6 gols apareceram os botões nº 7, do Estrela Solitária, e o nº 14 do Sampa. O nº 7 do Meninos da Vila marcou 5 gols.

A seleção “A” do campeonato ficou assim formada:

1. Juventus
2. Sampa
3. Amigos
4. Sampa
5. Verdão
6. Estrela Solitária
7. Cavalo de Tróia
8. Mengole
9. Amigos
10. Amigos
11. Estrela Solitária

A seleção “B” ficou assim constituída:

1. Amigos
2. Estrela Solitária
3. Estrela Solitária
4. Cavalo de Tróia
5. Amigos
6. Amigos
7. Verdão
8. Corinthians
9. Verdão
10. Meninos da Vila
11. Corinthians

Obs.: Lembrando que as seleções são formadas pelos jogadores que marcarem mais gols em suas posições (numeração de 1 a 11) e pelo goleiro menos vazado. Quando há empate, cede o jogador o técnico mais bem colocado no geral.

A classificação geral (primeiro mais o segundo turno) foi esta:

1º - AMIGOS – 22 J – 16 V – 4 E – 2 D – 31 GF – 13 GC – 52 PG (aproveitamento de 78,8%)
2º - ESTRELA SOLITÁRIA – 22 J – 14 V – 7 E – 1 D – 36 GF – 15 GC – 49 PG (74,2%)
3º - JUVENTUS – 22 J – 14 V – 3 E – 5 D – 29 GF – 12 GC – 45 PG (68,2%)
4º - CORINTHIANS – 22 J – 12 V – 3 E – 7 D – 28 GF – 25 GC – 39 PG (59,1%).
5º - CAVALO DE TRÓIA – 22 J – 11 V – 4 E – 7 D – 29 GF – 21 GC – 37 PG (56,1%).
6º - TITÂNICO – 22 J – 10 V – 5 E – 7 D – 24 GF – 22 GC – 35 PG (53%)
7º - VERDÃO – 22 J – 10 V – 3 E – 9 D – 28 GF – 25 GC – 33 PG (50%).
8º - MENINOS DA VILA – 22 J – 8 V – 5 E – 9 D – 24 GF – 30 GC – 29 PG (43,9%).
9º - SAMPA – 22 J – 8 V – 2 E – 12 D – 27 GF – 36 GC – 26 PG (39,4%).
10º - MENGOLE – 22 J – 7 V – 4 E – 11 D – 22 GF – 39 GC – 25 PG (37,9%).11º - RAÇA e TRITURADOR, eliminados do campeonato.

quinta-feira, 1 de outubro de 2009

ENCERRADO O 1º TURNO DA TAÇA BRASÍLIA-Série Ouro: AMIGOS CAMPEÃO

O primeiro turno da Taça Brasília-Série Ouro foi realizado no período de 15 a 29 de setembro e reuniu os doze técnicos melhores colocados no ranking anual da Federação Brasiliense de Futebol de Mesa (a ausência mais sentida foi a de Tarcízio Dinoá Junior que, por motivos profissionais, terá que se ausentar de Brasília e não pôde participar; Marcelo Silva – Titânico o substituiu).
De forma invicta, com oito vitórias e três empates (82% de aproveitamento) nos onze jogos que disputou, Paulo César Faria (Amigos) conquistou o primeiro turno e garantiu vaga na decisão da Taça. Conforme estabelece o regulamento da Taça Brasília, caso um técnico vença os dois turnos será declarado automaticamente campeão. Se acontecer de dois técnicos vencerem os turnos, estes decidirão a Taça em dois jogos. Outra hipótese é a de um terceiro técnico somar mais pontos que os dois campeões de turnos: acontecerá um triangular final para apontar o campeão de 2009.
Apesar da grande vantagem que Paulo César tinha na última rodada (cinco pontos) do primeiro turno, dois técnicos ainda sonhavam com o título: José Ricardo Almeida (Estrela Solitária) e Luiz Cláudio Caruso (Triturador). O primeiro jogaria duas partidas, uma com Jan Buarque (Corinthians) e a outra justamente com Paulo César. Este, faria um jogo antes com Marcelo Motta (Raça). Luiz Cláudio enfrentaria Antônio Carlos Almeida (Verdão) e Rodrigo Caruso (Meninos da Vila).
Tanto José Ricardo quanto Luiz Cláudio torciam para que Paulo César tropeçasse em seu primeiro jogo, contra Marcelo Motta. Caso isso acontecesse e vencessem seus jogos teriam chances de ainda conquistar o turno na última rodada.
Dos três que ainda disputavam o título, na primeira rodada somente Luiz Cláudio atuou. Os outros dois trabalharam como árbitros. O empate de 1 x 1 com Antônio Carlos tirou todas as possibilidades de Luiz Cláudio chegar ao título. Os demais resultados dessa rodada foram: Juventus (Eduardo Almeida) 1 x 1 Titânico, Cavalo de Tróia (Adolpho Parente) 3 x 1 Sampa (Luciano Sampaio) e Mengole (Sérgio Motta) 2 x 1 Meninos da Vila.
Com isso, somente José Ricardo Almeida ainda tinha chances de estragar a festa de Paulo César. Na segunda rodada do dia, teria que vencer Jan e torcer para que Paulo César perdesse para Marcelo Motta.
Mas, isso não aconteceu. Paulo César venceu Marcelo (3 x 1) e conquistou antecipadamente o turno. José Ricardo até venceu Jan (4 x 0), mas não adiantou. Os outros jogos foram: Verdão 3 x 1 Mengole e Triturador 3 x 2 Meninos da Vila.
Na última rodada do dia, Amigos e Estrela Solitária empataram em 1 x 1, e aconteceram as seguintes vitórias: Raça 2 x 1 Corinthians, Titânico 2 x 0 Cavalo de Tróia e Sampa 2 x 1 Juventus.
A classificação final foi a seguinte:

CAMPEÃO: Amigos, 27 pontos ganhos;
VICE-CAMPEÃO: Estrela Solitária, 22;
3º Triturador, 21;
4º Verdão, 17;
5º Cavalo de Tróia, 15;
6º Juventus, 15;
7º Raça, 15;
8º Titânico, 14;
9º Sampa, 13;
10º Corinthians, 9;
11º Mengole, 7;
12º Meninos da Vila, 3.
O melhor ataque do primeiro turno da Taça Brasília foi o do Triturador, com 24 gols, seguido por Amigos (22) e Estrela Solitária (19).
Já a melhor defesa foi a do Estrela Solitária, com 8 gols sofridos. A seguir vieram as do Amigos e Juventus, ambos com 10 gols contra.
Foram realizados 66 jogos e assinalados 185 gols, perfazendo a média de 2,8 gols por jogo.
O botão-artilheiro do 1º turno foi o nº 11 do Estrela Solitária, com 8 gols. Na segunda colocação ficou o nº 7 do Cavalo de Tróia, com 6. Com 5 gols apareceram os botões nºs 7, do Verdão, 10 do Raça e 8 do Triturador.
O segundo turno terá início no dia 6 de outubro, com os seguintes jogos:
1ª rodada - CORINTHIANS x VERDÃO, MENINOS DA VILA x TITÂNICO, JUVENTUS x RAÇA e AMIGOS x SAMPA
2ª - MENGOLE x TRITURADOR, CAVALO DE TRÓIA x ESTRELA SOLITÁRIA, TITÂNICO x CORINTHIANS e VERDÃO x MENINOS DA VILA3ª - RAÇA x AMIGOS, SAMPA x JUVENTUS, TRITURADOR x CAVALO DE TRÓIA e ESTRELA SOLITÁRIA x MENGOLE.

ARAÇATUBA LIDERA O 1º TURNO DA SÉRIE PRATA DA TAÇA BRASÍLIA

Paralelamente aos jogos da Série Ouro, estão sendo realizados os da Série Prata da Taça Brasília, contando com a participação de dez técnicos, a saber:
Alcides Figueira Filho (Palmeiras), Einstein Martins (Ciranda), José Paulo Neto (Exor), Marcelo Porto (Araçatuba), Marco Antônio Tierno (Mandrake), Marcus Amorim (Manto Sagrado), Paulo Roberto Holanda (Leão do Norte), Roberto Pessoa (Napoli), Washington Pires (Fogão) e Wellington Cristiano (Urubu).
Faltando uma rodada para o encerramento do primeiro turno, o Araçatuba vem liderando a competição, com 17 pontos ganhos, em oito jogos. Na segunda colocação está o Ciranda, que tem 16 pontos em sete jogos. Ainda com chances de conquistar o primeiro turno, o Palmeiras está na terceira colocação, com 15 pontos em sete jogos. Com remotas chances de ser o primeiro colocado está o Fogão, que tem 15 pontos ganhos em oito jogos. Terá que secar muito seus adversários e ganhar seu jogo contra o Palmeiras.Nas demais colocações estão: 5º Napoli, 6º Leão do Norte, 7º Mandrake, 8º Manto Sagrado, 9º Urubu e 10º Exor.

sexta-feira, 4 de setembro de 2009

ESTRELA SOLITÁRIA É O CAMPEÃO DA 1ª COPA PLANALTO

Dezesseis técnicos participaram da primeira edição da Copa Planalto, realizada no período de 18 de agosto a 1º de setembro de 2009.
A primeira fase foi disputada nos dias 18 e 22 de agosto, quando os dezesseis técnicos foram divididos em três grupos, que tiveram as seguintes colocações finais:

GRUPO A

1º JUVENTUS (Eduardo Almeida), 15 pontos ganhos;
2º MENGOLE (Sérgio Motta), 10;
3º CENTENÁRIO (Tarcízio Dinoá Junior), 9;
4º CIRANDA (Einstein Martins), 6;
5º EXOR (José Paulo Neto), 3; e
6º FOGÃO (Washington Pires), 1.

GRUPO B

1º CAVALO DE TRÓIA (Adolpho Parente), 10;
2º IZALCI (Marcelo Ferreira), 9;
3º AMIGOS (Paulo César Faria), 7;
4º MANDRAKE (Marco Antônio Tierno), 3; e
5º NAPOLI (Roberto Pessoa), 0.

GRUPO C

1º ESTRELA SOLITÁRIA (José Ricardo Almeida), 10;
2º TITÂNICO (Marcelo Silva), 9;
3º CORINTHIANS (Jan Buarque), 6;
4º MENINOS DA VILA (Rodrigo Caruso), 3; e
5º LEÃO DO NORTE (Paulo Roberto Holanda), 1.

Os três primeiros colocados de cada grupo classificavam-se para disputar a Segunda Fase, realizada no dia 29 de agosto de 2009. Também estava prevista a realização da Taça de Prata, com os técnicos que não se classificaram na primeira fase.
Por problemas pessoais, Adolpho Parente não pôde comparecer. Outros dois classificados também não apareceram para disputar a Segunda Fase: Marcelo Ferreira e Marcelo Silva. Com isso, as vagas foram preenchidas, utilizando o critério de melhor colocação na Primeira Fase, por Einstein Martins, Marco Antônio Tierno e Paulo Roberto Holanda. Com todas essas ausências, não foi possível realizar a Taça de Prata.
As classificações finais dos três grupos da Segunda Fase foram:

GRUPO D

1º JUVENTUS, 6;
2º CORINTHIANS, 3; e
3º MANDRAKE, 0.

GRUPO E

1º CENTENÁRIO, 6;
2º CIRANDA, 3; e
3º LEÃO DO NORTE, 0.

GRUPO F

1º ESTRELA SOLITÁRIA, 4;
2º MENGOLE, 2; e
3º AMIGOS, 1.

A Terceira Fase, disputada no dia 1º de setembro de 2009, previa a realização de três triangulares: os primeiros colocados dos grupos D, E e F disputariam do 1º ao 3º lugar; os segundos colocados do 4º ao 6º e os terceiros do 7º ao 9º.
O Grupo G apresentou os seguintes resultados: Centenário 3 x 1 Juventus, Estrela Solitária 3 x 1 Centenário e Estrela Solitária 2 x 0 Juventus.
Esses resultados deram o título de campeão da 1ª Copa Planalto ao técnico José Ricardo Almeida (Estrela Solitária). A classificação final foi esta:

GRUPO G

1º ESTRELA SOLITÁRIA, 6;
2º CENTENÁRIO, 3; e
3º JUVENTUS, 0.

GRUPO H

O Grupo H reuniu os segundos colocados dos grupos da Segunda Fase e teve os seguintes confrontos: Corinthians 1 x 0 Mengole, Mengole 2 x 1 Ciranda e Ciranda 2 x 1 Corinthians. Os critérios de desempate fizeram com que esta fosse a classificação final:

1º CIRANDA, 3;
2º CORINTHIANS, 3; e
3º MENGOLE, 3.

Os terceiros colocados dos grupos D, E e F deveriam compor o Grupo I, onde disputariam do 7º ao 9º lugar. Paulo Roberto Holanda (Leão do Norte) não compareceu e apenas um jogo foi realizado: Amigos 2 x 0 Mandrake. Eis como ficou a situação deste Grupo:

GRUPO I

1º AMIGOS, 6;
2º MANDRAKE, 3; e
3º LEÃO DO NORTE, 0.

Foram realizados 53 jogos e assinalados 160 gols, o que dá a média de 3 gols por jogo.

sexta-feira, 14 de agosto de 2009

ESTRELA SOLITÁRIA VENCE O 3º MASTERS SERIES-Ouro

Reunindo os seis melhores colocados no ranking do 9º ao 12º Challengers: Tarcízio Dinoá Junior (Centenário), Eduardo Almeida (Juventus), Rodrigo Caruso (Meninos da Vila), José Ricardo Almeida (Estrela Solitária), Marcelo Motta (Raça) e Antônio Carlos Almeida (Verdão), o 3º Masters Series-Ouro foi realizado nos dias 4 e 11 de agosto de 2009.
Como nas duas primeiras ocasiões, foi decidido na quinta e última rodada.
A primeira rodada do dia 4 apresentou os seguintes resultados: Centenário 3 x 0 Verdão, Juventus 1 x 1 Raça e Estrela Solitária 4 x 1 Meninos da Vila.
Na segunda, a grande surpresa foi a goleada do Raça para cima do Centenário, por 6 x 2. Segundo comentários do técnico Tarcízio, ele não jogou mal, o Marcelo é que acertou tudo o que podia e um pouquinho mais. Nos demais jogos da segunda rodada, Estrela Solitária 2 x 1 Juventus e Verdão 2 x 1 Meninos da Vila.
Encerrando as rodadas do dia 4, tivemos: Verdão 4 x 1 Raça, Centenário 2 x 2 Estrela Solitária e Juventus 1 x 1 Meninos da Vila.
Após esses resultados, passaram a liderar o torneio o Estrela Solitária, com 7 pontos ganhos, e o Verdão, com 6. Raça e Centenário tinham 4, Juventus, 2 e Meninos da Vila, 1.
A quarta rodada, disputada já no segundo dia de competição (11.08), podia antecipar um campeão, o Estrela Solitária, caso esse vencesse seu jogo e Verdão e Centenário não vencessem. Mas isso não aconteceu e fomos para a decisão na última rodada. Os resultados da quarta rodada foram: Centenário 2 x 0 Meninos da Vila, Verdão 1 x 0 Juventus e Estrela Solitária 3 x 0 Raça.
A tabela estabelecia o jogo Verdão x Estrela Solitária para a última rodada na mesa 12. Desta mesa sairia o campeão do torneio. O Estrela Solitária jogava por um empate e o Verdão tinha que vencer por qualquer placar.
Por diversas circunstâncias, o jogo ficou muito amarrado e o placar não foi mexido, apesar do Verdão ter mais chances de gol. Com o passar do tempo, o Estrela Solitária passou a se preocupar mais com a sua defesa, sabendo que o empate lhe favorecia. E foi dessa forma que acabou o jogo: 0 x 0, resultado que deu o título de campeão ao Estrela Solitária.
Nos dois jogos restantes, o Raça venceu o Meninos da Vila, por 2 x 1, igual resultado a favor do Centenário contra a Juventus.
Assim ficou a classificação final do 3º Masters Series:
1º Estrela Solitária, 11 pontos ganhos;
2º Centenário, 10 (gols marcados = 11);
3º Verdão, 10 (gols marcados = 7),
4º Raça, 7;
5º Juventus, 2 e
6º Meninos da Vila, 1.

AMIGOS CAMPEÃO DO MS-PRATA

O 3º Masters Series-Prata foi disputado paralelamente (dias 4 e 11 de agosto) ao MS-Ouro e reuniu 12 técnicos colocados do 7º ao 18º lugares no Ranking do 9º ao 12º Challengers.
Na primeira fase foram divididos em quatro grupos iguais, que tiveram as seguintes classificações:

GRUPO A
1º Marcelo Ferreira (Izalci), 7 pontos ganhos; 2º Roberto Pessoa (Napoli), 7; 3º Wellington Cristiano (Urubu), 3 e 4º Luciano Sampaio (Sampa), 0. O técnico Luciano Sampaio não pôde comparecer, por estar enfrentando problemas de saúde, e perdeu seus três jogos por WO.

GRUPO B
1º Paulo César Faria (Amigos), 5; 2º Einstein Martins (Ciranda), 4; 3º Sérgio Motta (Mengole), 4 e 4º Marcelo Porto (Araçatuba), 2.

GRUPO C
1º Adolpho Parente (Cavalo de Tróia), 9; 2º Luiz Cláudio Caruso (Triturador), 6; 3º Alcides Figueira Filho (Palmeiras), 3 e 4º Marco Antônio Tierno (Mandrake), 0.

O regulamento previa a classificação dos dois primeiros colocados e os dois melhores segundos (Mengole e Palmeiras), totalizando oito técnicos na Segunda Fase, que seria disputada no sistema “mata-mata”, levando a vantagem do empate o técnico de melhor campanha até aquele momento.
Os resultados da primeira rodada da Segunda Fase foram: Izalci 2 x 0 Mengole, Amigos 2 x 1 Palmeiras, Cavalo de Tróia 5 x 1 Napoli e Ciranda 2 x 2 Triturador (o empate favoreceu o Triturador).
Continuaram lutando pelo título quatro times e apresentaram os seguintes resultados nas semifinais: Cavalo de Tróia 2 x 0 Izalci e Amigos 2 x 0 Triturador.
Na disputa do 5º ao 8º lugar, o Mengole venceu o Napoli, por 4 x 1, e o jogo Palmeiras x Ciranda terminou antes da hora, após desentendimentos entre os dois técnicos.
Na grande final, o Amigos se aproveitou bem da má partida feita pelo Cavalo de Tróia e venceu por 3 x 0.
Na disputa do 3º lugar, o Triturador retirou-se antes e perdeu por WO a favor do Izalci.
O Mengole venceu o Ciranda, por 3 x 1, e ficou com a quinta colocação.O Napoli ficou com a sétima colocação após a aplicação do WO sobre o técnico do Palmeiras.

quinta-feira, 13 de agosto de 2009

DEPOIS DE UM LONGO PERÍODO, MENINOS DA VILA VOLTA A VENCER UM CHALLENGER

Depois de um longo e tenebroso inverno, o técnico Rodrigo Caruso (Meninos da Vila) voltou a sentir o gostinho de um título de campeão, ao vencer o 12º Challenger de 2009, disputado nos dias 28 de julho e 1º de agosto.
A última vez em que havia conquistado um Challenger foi em 7 de dezembro de 2002, coincidentemente o 12º Challenger daquele ano.
O último Challenger de 2009 teve a disputá-lo 17 técnicos que, na Primeira Fase, foram divididos em cinco grupos, os quais apresentaram as seguintes classificações finais (passavam para a Segunda Fase os dois primeiros colocados dos Grupos A e B, os primeiros dos grupos C, D e E e o melhor segundo colocado destes grupos):

GRUPO A
1º Marcelo Motta (Raça), 9 pontos ganhos; 2º Paulo Caruso (Santos), 4; 3º Luiz Cláudio Caruso (Triturador), 2 e 4º Luciano Sampaio (Sampa), 1.

GRUPO B
1º Paulo César Faria (Amigos), 7; 2º Alcides Figueira Filho (Palmeiras), 6; 3º Antônio Carlos Almeida (Verdão), 4 e 4º Marcelo Porto (Araçatuba), 0.

GRUPO C
1º José Ricardo Almeida (Estrela Solitária), 4; 2º Tarcízio Dinoá Junior (Centenário), 2 e 3º Sérgio Motta (Mengole), 1.

GRUPO D
1º Rodrigo Caruso (Meninos da Vila), 6; 2º Roberto Pessoa (Napoli) e 3º Leonardo Caruso (Tubarão da Vila), 0. Obs.: o Napoli acabou se classificando como o melhor segundo colocado dos grupos C, D e E.

GRUPO E
1º Eduardo Almeida (Juventus), 6; 2º Adolpho Parente (Cavalo de Tróia), 3 e 3º Paulo Roberto Holanda (Leão do Norte), 0.

Para a Segunda Fase, o técnico Paulo Caruso não pôde comparecer, pois teve que se ausentar de Brasília a serviço. Foi substituído por Antônio Carlos Almeida.
Quatro jogos definiram os técnicos que continuariam lutando pelo título: Estrela Solitária 2 x 1 Raça, Palmeiras 2 x 1 Juventus, Amigos 5 x 0 Napoli e Meninos da Vila 1 x 0 Verdão.
Nas semifinais, o Estrela Solitária venceu o Palmeiras por 4 x 0 e o Meninos da Vila ganhou do Amigos, por 2 x 0. Na disputa do 5º ao 8º lugar, empate de 2 x 2 entre Raça e Juventus (que favoreceu o Raça) e vitória do Verdão sobre o Napoli, por 3 x 0.
Na final do torneio, o jogo foi bastante estudado pelos dois técnicos. O primeiro tempo terminou em branco. Quando já tínhamos mais da metade do 2º tempo, o Estrela Solitária abriu o marcador. O Meninos da Vila não se abalou e correu atrás do empate, que veio quando faltavam poucos minutos para o fim, com um gol de Alberto, o “Artilheiro das Decisões”. Por ter melhor campanha que seu adversário em todo o torneio, o Meninos da Vila ficou com o título de campeão.
Amigos e Palmeiras empataram em 2 x 2 na disputa pelo terceiro lugar, que ficou com o Amigos também por ter melhor campanha.
O Raça venceu o Verdão por 2 x 1 e ficou com o quinto posto.
No clássico italiano para decidir a sétima colocação, a Juventus goleou o Napoli, por 5 x 1.

CENTENÁRIO É O CAMPEÃO DO 11º CHALLENGER

Depois de muito perseguir o seu primeiro título de campeão em 2009, o Centenário foi recompensado no 11º Challenger, realizado nos dias 18 e 21 de julho, com a participação de 12 técnicos. Essa foi a primeira vez que Tarcízio Dinoá Junior conquista um torneio Challenger em 2009.
O grande destaque do torneio foi o retorno às mesas brasilienses do técnico Einstein Martins (Ciranda), que estava morando e trabalhando em São Paulo. Mesmo que um pouco destreinado, conseguiu classificar-se para a segunda fase.
Os doze técnicos que se inscreveram foram divididos, na Primeira Fase, em quatro grupos, que tiveram as seguintes classificações (lembrando que passavam para a Segunda Fase os dois primeiros colocados de cada grupo):

GRUPO A
1º José Ricardo Almeida (Estrela Solitária), 6 pontos ganhos; 2º Rodrigo Caruso (Meninos da Vila), 3 e 3º Paulo César Faria (Amigos), 0.

GRUPO B
1º Marcelo Porto (Araçatuba), 6; 2º Eduardo Almeida (Juventus), 1 e 3º Marcus Amorim (Manto Sagrado), 1 (o desempate foi no saldo de gols).

GRUPO C
1º Tarcízio Dinoá Junior (Centenário), 6; 2º Einstein Martins (Ciranda), 3 e 3º Marcelo Motta (Raça), 0.

GRUPO D
1º Luciano Sampaio (Sampa), 6; 2º Roberto Pessoa (Napoli), 3 e 3º Sérgio Motta (Mengole), 0.

A segunda fase começou com jogos bastante equilibrados, com a diferença de apenas um gol em todos os quatro jogos, que foram: Juventus 1 x 0 Estrela Solitária, Meninos da Vila 1 x 0 Araçatuba, Centenário 2 x 1 Napoli e Sampa 1 x 0 Ciranda.
Os vencedores continuaram perseguindo o título de campeão do torneio, apresentando duas goleadas nas semifinais: Juventus 5 x 0 Sampa e Centenário 5 x 1 Meninos da Vila. Na disputa do 5º ao 8º lugar, os resultados foram: Estrela Solitária 5 x 1 Ciranda e Araçatuba 2 x 0 Napoli.
Novamente a diferença de um gol decidiu o torneio e a disputa pelo 3º lugar. Na grande final, o Centenário marcou 2 x 1 sobre a Juventus. Na outra disputa, o Meninos da Vila fez 1 x 0 no Sampa.
O Estrela Solitária ficou com a quinta colocação depois de aplicar goleada de 5 x 0 sobre o Araçatuba.O Napoli venceu o Ciranda, por 3 x 2, e ficou em sétimo lugar.

10º CHALLENGER É DO VERDÃO

O 10º Challenger de 2009 foi realizado nos dias 7 e 14 de julho, com a presença de 17 técnicos, e apresentou, pela segunda vez esse ano, o Verdão como o legítimo campeão.
Na primeira fase, disputada no dia 7, os técnicos inscritos foram divididos em cinco grupos, que apresentaram os seguintes resultados finais (classificavam-se para a segunda fase os dois primeiros colocados dos grupos A e B, os primeiros dos grupos C, D e E e o melhor segundo colocado dos grupos C, D e E):

GRUPO A
1º Tarcízio Dinoá Junior (Centenário), 7 pontos ganhos; 2º Luiz Cláudio Caruso (Triturador), 6; 3º Marcelo Porto (Araçatuba), 4 e 4º Marcelo Ferreira (Izalci), 0.

GRUPO B
1º Antônio Carlos Almeida (Verdão), 9; 2º Eduardo Almeida (Juventus), 6; 3º Marco Antônio Tierno (Mandrake), 3 e 4º Wellington Cristiano (Urubu), 0.

GRUPO C
1º Luciano Sampaio (Sampa), 4; 2º Alcides Figueira Filho (Palmeiras), 4 e 3º Mauro Moura (Capibaribe), 0. Obs.: deste grupo, saiu o melhor segundo colocado.

GRUPO D
1º José Ricardo Almeida (Estrela Solitária), 6; 2º Rodrigo Caruso (Meninos da Vila), 3 e 3º Paulo Roberto Holanda (Leão do Norte), 0.

GRUPO E
1º Marcelo Motta (Raça), 4; 2º Jan Buarque (Corinthians), 3 e 3º Paulo César Faria (Amigos), 1.

No dia 14 de julho foram realizados os jogos da Segunda e decisiva fase. A primeira rodada apresentou os seguintes resultados: Centenário 3 x 2 Sampa, Raça 3 x 1 Juventus, Verdão 1 x 1 Palmeiras (o empate favoreceu o Verdão, por ter melhor campanha) e Estrela Solitária 3 x 0 Triturador.
Após esses resultados, os vencedores passaram a perseguir as quatro primeiras colocações e os perdedores as quatro últimas. Assim, as semifinais apresentaram: Centenário 1 x 1 Raça e Verdão 1 x 1 Estrela Solitária (os empates favoreceram Centenário e Verdão). Os demais resultados foram esses: Juventus 3 x 1 Sampa e Triturador 4 x 0 Palmeiras.
Na final do torneio, em jogo bastante equilibrado, o Verdão venceu o Centenário, por 2 x 1, conquistando o seu segundo Challenger em 2009.
Na decisão do terceiro lugar, vitória do Estrela Solitária sobre o Raça, por 3 x 2.
A Juventus ficou com a quinta colocação, após bater o Triturador, por 3 x 1.
Na disputa do 7º lugar, vitória do Palmeiras sobre o Sampa, por 2 x 1.

sexta-feira, 10 de julho de 2009

MARCELO FERREIRA VENCE SEU PRIMEIRO TORNEIO

Realizado nos dias 30 de junho e 4 de julho, o 9º Challenger de 2009 apresentou um inédito campeão: Marcelo Ferreira, técnico do Izalci. Esta foi a primeira vez que Marcelo Ferreira venceu um torneio Challenger, desde quando passaram a ser disputados esse tipo de torneio, no ano de 2002.
Não foi tarefa das mais fáceis, pois enfrentou grandes adversários em seu percurso até o título.
Na Primeira Fase, disputada no dia 30 de junho, os 16 técnicos inscritos foram divididos em quatro grupos iguais, que apresentaram as seguintes classificações finais:

GRUPO A: 1º Marcelo Motta (Raça), 7 pontos ganhos; 2º Marcelo Ferreira (Izalci), 6; 3º Jan Buarque (Corinthians), 3 e 4º Mauro Moura (Capibaribe), 1.

GRUPO B: 1º Eduardo Almeida (Juventus), 7; 2º Sérgio Motta (Mengole), 5; 3º Luciano Sampaio (Sampa), 4 e 4º Luiz Cláudio Caruso (Triturador), 0.

GRUPO C: 1º José Ricardo Almeida (Estrela Solitária), 9; 2º Rodrigo Caruso (Meninos da Vila), 4; 3º Adolpho Parente (Cavalo de Tróia), 4 e 4º Paulo César Faria (Amigos), 0.

GRUPO D: 1º Tarcízio Dinoá Junior (Centenário), 7; 2º Antônio Carlos Almeida (Verdão), 7; 3º Pedro Thuin (Os Miseráveis), 3 e 4º Marco Antônio Tierno (Mandrake), 0.

Antes de ser iniciada a Segunda Fase, realizada no dia 4 de julho, os irmãos José Ricardo Almeida (Estrela Solitária) e Antônio Carlos Almeida (Verdão) comunicaram que, por diferentes motivos particulares, não poderiam estar presentes. Foram substituídos, respectivamente, por Luciano Sampaio (Sampa) e Jan Buarque (Corinthians).
Assim, os resultados apresentados na primeira rodada da Segunda Fase foram:
Meninos da Vila 3 x 0 Raça, Juventus 2 x 1 Corinthians, Izalci 3 x 1 Sampa e Centenário 3 x 0 Mengole. Conforme determina o regulamento do torneio, os vencedores passaram a disputar do 1º ao 4º lugar e os perdedores do 5º ao 8º.
Na segunda rodada, Juventus e Meninos da Vila empataram em 0 x 0, resultado que favoreceu o primeiro, por ter melhor campanha em todo o torneio. No outro jogo, um grande resultado do Izalci: vitória de 4 x 2 sobre o Centenário.
Nas demais disputas, Mengole e Sampa empataram em 0 x 0 (o empate classificou o Mengole) e o Raça precisou ausentar-se, cedendo o WO para o Corinthians.
Na terceira e decisiva rodada, aconteceu empate em 1 x 1 entre Izalci e Juventus, placar que deu o título de campeão ao Izalci, por ter melhor campanha que seu adversário.
Na disputa do terceiro lugar, o Centenário aplicou goleada de 5 x 1 sobre o Meninos da Vila.
Outra goleada, 4 x 0 do Mengole sobre o Corinthians, definiu o quinto colocado.
Por último, o Sampa ficou com a sétima posição, sem necessidade de disputar seu jogo contra o ausente Raça.
Com o título do Izalci, passa a ser de oito o número de técnicos classificados para a Copa dos Campeões.

quinta-feira, 2 de julho de 2009

CAVALO DE TRÓIA CONQUISTA 2º MASTERS SERIES DE 2009


Após a realização do 8º Challenger, seis técnicos garantiram participação no 2º Masters Series-Ouro de 2009. Foram eles: José Ricardo Almeida (Estrela Solitária), Tarcízio Dinoá Junior (Centenário), Adolpho Parente (Cavalo de Tróia), Marcelo Motta (Raça), Antônio Carlos Almeida (Verdão) e Sérgio Motta (Mengole).
Conforme determina o regulamento desse torneio, todos jogam entre si e o que somar o maior número de pontos ganhos (ou melhor atender aos critérios de desempate) será declarado campeão.
Antes mesmo do início dos jogos (nos dias 23 e 27 de junho), Tarcízio Dinoá Junior desistiu da competição, por questões familiares. Foi substituído pelo 7º colocado do ranking, Jan Buarque (Corinthians).
Da mesma forma que ocorreu no 1º Masters Series de 2009, o equilíbrio foi a tônica dos jogos no 2º. Para se ter uma idéia, após o primeiro dia de jogos (23), apenas Jan Buarque não tinha mais chances matemáticas de chegar ao título de campeão.
Quando começaram os jogos do segundo dia (27), uma combinação de resultados poderia dar o título ao Estrela Solitária: vencer o Cavalo de Tróia e o Verdão vencer o Raça. Mas não foi isso que aconteceu. O Verdão até venceu o Raça (4 x 0), mas o Cavalo de Tróia ganhou do Estrela Solitária (1 x 0). No outro jogo, o Corinthians venceu o Mengole (3 x 1).
Assim, quatro técnicos foram para a última rodada com chances de ser campeão.
O único que não dependia de ninguém era o Cavalo de Tróia. Vencendo seu jogo, conquistaria o título. Os demais dependiam da combinação de resultados. Se houvesse empate no jogo Cavalo de Tróia e Verdão e o Estrela Solitária ganhasse, este seria o campeão. Se o Verdão ganhasse e o Estrela Solitária não ganhasse, o Verdão seria o campeão. Correndo por fora e precisando de fazer muitos gols no Mengole para melhorar o seu saldo de gols, estava o Raça.
E a decisão dos jogos e do torneio ficaram para os últimos minutos. O 0 x 0 teimava em permanecer nos jogos Cavalo de Tróia x Verdão e Estrela Solitária x Corinthians. No outro jogo, o Raça já estava goleando o Mengole, com quantidade de gols ainda insuficiente.
E o placar de 1 x 0 definiu a classificação final do torneio. Quase no final do jogo, Adolpho armou uma jogada entre três jogadores. Antônio Carlos tentou tirar e fez falta. Adolpho bateu e converteu. Logo depois, o jogo terminou, dando o título, com méritos, ao Cavalo de Tróia.
No outro jogo, também próximo do final, Jan marcou 1 x 0 em José Ricardo, tirando-lhe qualquer possibilidade de conquistar o título.
No terceiro jogo, o Raça goleou o Mengole por 5 x 1, resultado que lhe deu o vice-campeonato.A classificação final do 2º Masters Series-Ouro foi a seguinte: Campeão: Adolpho Parente (Cavalo de Tróia), 12 pontos ganhos; 2º Marcelo Motta (Raça), 9; 3º José Ricardo Almeida (Estrela Solitária), 7; 4º Antônio Carlos Almeida (Verdão), 6; 5º Jan Buarque (Corinthians), 6 e 6º Sérgio Motta (Mengole), 4.

JUVENTUS FICA COM O TÍTULO DO 2º MASTERS SERIES-PRATA

Além do Masters Series-Ouro, nos mesmos dias 23 e 27 de junho foi disputado o 2º Masters Series-Prata, que reuniu os técnicos com colocações do 7º ao 18º lugares no Ranking do 5º ao 8º Challengers.
Foram eles: Eduardo Almeida (Juventus), Rodrigo Caruso (Meninos da Vila), Luiz Cláudio Caruso (Triturador), Roberto Pessoa (Napoli), Marcelo Silva (Titânico), Paulo César Faria (Amigos), Luciano Sampaio (Sampa), Alcides Figueira Filho (Palmeiras), Marco Antônio Tierno (Mandrake), Washington Pires (Fogão), Pedro Thuin (Os Miseráveis) e Marcelo Ferreira (Izalci). Marco Antônio Tierno não pôde comparecer e foi substituído por Marcelo Porto (Araçatuba).
Diferentemente do MS-Ouro, no MS-Prata os técnicos foram divididos em três grupos, que foram assim formados, com as respectivas classificações finais:

GRUPO A – 1º Palmeiras, 9 pontos ganhos; 2º Izalci, 6; 3º Os Miseráveis, 3 e 4º Titânico, 0. Obs.: o técnico do Titânico, Marcelo Silva, não pôde comparecer.

GRUPO B – 1º Juventus, 9; 2º Sampa, 4; 3º Fogão, 2 e 4º Napoli, 1.

GRUPO C – 1º Amigos, 7; 2º Araçatuba, 5; 3º Meninos da Vila, 4 e 4º Triturador, 0. O técnico do Triturador, Luiz Cláudio Caruso, não disputou o torneio pois estava disputando o campeonato de futebol de campo da AABB, no mesmo horário.

No sistema “mata-mata”, a Segunda Fase começou com estes resultados: Meninos da Vila WO x 0 Palmeiras (o técnico Alcides precisou antecipar uma viagem para São José do Rio Preto e não pôde comparecer), Juventus 7 x 0 Os Miseráveis, Amigos 0 x 0 Izalci (o empate favoreceu o Amigos) e Sampa 3 x 1 Araçatuba.
Continuando na briga pelo título de campeão, os resultados apresentados pelos técnicos foram esses: Meninos da Vila 2 x 0 Sampa e Juventus 1 x 1 Amigos (desta vez, o empate favoreceu a Juventus). Na disputa do 5º ao 8º lugar, o Izalci fez 1 x 0 no Os Miseráveis e o Araçatuba venceu o Palmeiras por WO.
Na disputa do título, a Juventus abriu 2 x 0 no marcador e o Meninos da Vila reagiu, buscando o empate em 2 x 2, insuficiente para tirar o título de campeão da Juventus.
O Sampa venceu o Amigos, por 2 x 1, e ficou com a terceira colocação.
A vitória de 1 x 0 do Izalci sobre o Araçatuba, definiu o quinto colocado.
Com o WO sobre o Palmeiras, “Os Miseráveis” ficou com a sétima posição na tabela.

JUVENTUS É CAMPEÃO DO 8º CHALLENGER

Tal qual aconteceu no Challenger anterior, o 7º, quando o Verdão (Antônio Carlos Almeida) conquistou seu primeiro torneio em 2009, agora foi a vez da Juventus (Eduardo Almeida). Ele conquistou o título de campeão do 8º Challenger de 2009, disputado nos dias 9 e 16 de junho, com a participação de 17 técnicos.
Coincidentemente, o título foi decidido contra Paulo César Faria (Amigos), a quem enfrentou na Primeira Fase, no Grupo A, quando aconteceu a vitória do Amigos, por 2 x 1. Na final, deu o troco e venceu por 2 x 0.
Na Primeira Fase, os 17 técnicos foram assim divididos, com as respectivas classificações (classificavam-se os dois primeiros colocados dos grupos A e B, os primeiros dos grupos C, D e E e o melhor 2º colocado destes três grupos):
GRUPO A – 1º Paulo César Faria (Amigos), 7 pontos ganhos; 2º Eduardo Almeida (Juventus), 6; 3º Sérgio Motta (Mengole), 4 e 4º Antônio Carlos Almeida (Verdão), 0.
GRUPO B – 1º Tarcízio Dinoá Junior (Centenário), 9; 2º Roberto Pessoa (Napoli), 6; 3º Washington Pires (Fogão), 3 e 4º Marco Antônio Tierno (Mandrake), 0.
GRUPO C – 1º Alcides Figueira Filho (Palmeiras), 6; 2º Marcelo Silva (Titânico), 3 e 3º Adolpho Parente (Cavalo de Tróia), 0.
GRUPO D – 1º José Ricardo Almeida (Estrela Solitária), 4; 2º Rodrigo Caruso (Meninos da Vila), 4 e 3º Pedro Thuin (Os Miseráveis), 0. Obs.: deste grupo saiu o melhor 2º colocado.
GRUPO E – 1º Jan Buarque (Corinthians), 3 (saldo de 1); 2º Marcelo Ferreira (Izalci), 3 (saldo 0) e 3º Marcelo Motta (Raça), 3 (déficit de 1).

A primeira rodada da Segunda Fase foi de puro equilíbrio, com todas as vitórias ocorrendo com apenas um gol de diferença: Amigos 1 x 0 Palmeiras, Meninos da Vila 2 x 1 Centenário, Corinthians 1 x 0 Napoli e Juventus 2 x 1 Estrela Solitária.
Na segunda rodada, quando os vencedores passaram a disputar as quatro primeiras colocações, e os perdedores do 5º ao 8º posto, estes foram os resultados: Amigos 3 x 1 Meninos da Vila, Corinthians 1 x 1 Juventus (o empate favoreceu a Juventus, por ter melhor campanha em todo o torneio), Palmeiras 3 x 3 Centenário (mesmo critério a favor do Centenário) e Estrela Solitária 5 x 1 Napoli.
Como dissemos antes, na final a Juventus marcou 2 x 0 sobre o Amigos e conquistou o torneio.
Houve empate de 1 x 1 na decisão do 3º lugar, entre Meninos da Vila e Coritnhians, resultado que deu a melhor classificação ao Meninos da Vila.
Na disputa pelo quinto posto, o Estrela Solitária venceu o Centenário, por 2 x 1.O Napoli venceu o Palmeiras, por 3 x 2, e ficou com a sétima posição.

quinta-feira, 11 de junho de 2009

VERDÃO VENCE SEU PRIMEIRO CHALLENGER EM 2009

Nos dias 2 e 6 de junho foi disputado o 7º Challenger de 2009 (Taça “Voltaire Gomes”), que teve como legítimo campeão Antônio Carlos Almeida (Verdão), conquistando assim o seu primeiro título neste ano e passando a fazer parte dos técnicos que já garantiram participação na Copa dos Campeões.
O torneio contou com a participação de 21 técnicos em sua Primeira Fase, que apresentou a seguinte classificação nos sete grupos:

GRUPO A – 1º Marcelo Silva (Titânico), 4 pontos ganhos; 2º Marcelo Motta (Raça), 4 e 3º Jan Buarque (Corinthians), 0.

GRUPO B – 1º Luiz Cláudio Caruso (Triturador), 6; 2º Marco Antônio Tierno (Mandrake), 3 e 3º Wellington Cristiano (Urubu), 0.

GRUPO C – 1º Eduardo Almeida (Juventus), 6; 2º Alcides Figueira Filho (Palmeiras), 3 e 3º Roberto Pessoa (Napoli), 0.

GRUPO D – 1º José Ricardo Almeida (Estrela Solitária), 6; 2º Sérgio Motta (Mengole), 3 e 3º Pedro Thuin (Os Miseráveis), 0.

GRUPO E – 1º Tarcízio Dinoá Junior (Centenário), 6; 2º Washington Pires (Fogão), 3 e 3º Rodrigo Caruso (Meninos da Vila), 0.

GRUPO F – 1º Adolpho Parente (Cavalo de Tróia), 6; 2º Paulo Caruso (Santos), 3 e 3º Marcelo Porto (Araçatuba), 0.

GRUPO G – 1º Antônio Carlos Almeida (Verdão), 6; 2º Luciano Sampaio (Sampa), 3 e 3º Paulo Roberto Holanda (Leão do Norte), 0.

Além dos primeiros colocados de cada grupo, passavam para a Segunda Fase do torneio o melhor segundo colocado dos sete grupos. Este foi Marcelo Motta (Raça).
Um dos classificados para a fase seguinte, Eduardo Almeida, não pôde comparecer para disputar seus jogos, sendo substituído por Sérgio Motta.
Os resultados da primeira rodada da Segunda Fase foram:
Triturador 3 x 2 Titânico, Mengole 2 x 2 Estrela Solitária (o empate favoreceu o Estrela Solitária, por ter melhor campanha), Centenário 4 x 1 Cavalo de Tróia e Verdão 4 x 2 Raça. Os vencedores decidiriam do 1º ao 4º lugar e os perdedores do 5º ao 8º.
Na briga pelo título, as semifinais apresentaram os seguintes jogos: Estrela Solitária 2 x 1 Triturador e Verdão 4 x 3 Centenário. Em busca do 5º lugar, o Titânico empatou em 1 x 1 com o Mengole (esse resultado favorecia o Titânico) e o Cavalo de Tróia derrotou o Raça por 2 x 1.
Na final, em jogo bastante equilibrado, aconteceu empate em 1 x 1 entre Verdão e Estrela Solitária, resultado que deu o título de campeão ao Verdão, por ter melhor campanha que seu adversário.
Na decisão do 3º lugar, entre Centenário e Triturador, outro empate, em 2 x 2. Este resultado deu a melhor colocação ao Centenário.
O Cavalo de Tróia aplicou 3 x 1 no Titânico e ficou com a quinta colocação.
O Raça precisou ausentar-se antes do jogo contra o Mengole, levando WO.
O próximo Challenger, o 8º de 2009, será realizado nos dias 9 e 16 de junho e servirá para definir os seis participantes do 2º Masters Series Ouro de 2009 e os 12 do Masters Series Prata.

sexta-feira, 29 de maio de 2009

ESTRELA SOLITÁRIA VENCE O 6º CHALLENGER

Nos dias 19 e 26 de maio foi disputado o 6º Challenger de 2009 (Taça Sérgio Netto), que contou com a participação de vinte técnicos.
Na primeira fase, foram divididos em seis grupos, onde obtiveram as seguintes classificações finais:

GRUPO A – 1º Tarcízio Dinoá Junior (Centenário), 7 pontos ganhos; 2º Marcelo Motta (Raça), 4; 3º Luiz Cláudio Caruso (Triturador), 4 e 4º Alcides Figueira Filho (Palmeiras), 1.

GRUPO B – 1º José Ricardo Almeida (Estrela Solitária), 9; 2º Adolpho Parente (Cavalo de Tróia), 6; 3º Roberto Pessoa (Napoli), 3 e 4º Paulo Roberto Holanda (Leão do Norte), 0.

GRUPO C – 1º Jan Buarque (Corinthians), 6; 2º Washington Pires (Fogão), 1 e 3º Marcelo Porto (Araçatuba), 1.

GRUPO D – 1º Rodrigo Caruso (Meninos da Vila), 6; 2º Antônio Carlos Almeida (Verdão), 3 e 3º Pedro Thuin (Os Miseráveis), 0.

GRUPO E – 1º Sérgio Motta (Mengole), 6; 2º Paulo César Faria (Amigos), 3 e 3º Marco
Antônio Tierno (Mandrake), 0.

GRUPO F – 1º Eduardo Almeida (Juventus), 6; 2º Luciano Sampaio (Sampa), 3 e 3º Samuel Faria (Hooligans), 0.

Conforme estabelecido no regulamento do torneio, classificaram-se para a Segunda Fase os dois primeiros colocados dos Grupos A e B e os primeiros lugares dos grupos C, D, E e F.
Os resultados da primeira rodada da Segunda Fase foram: Centenário 3 x 0 Corinthians, Cavalo de Tróia 3 x 0 Mengole, Raça 3 x 1 Juventus e Estrela Solitária 0 x 0 Meninos da Vila (o empate favoreceu o Estrela Solitária).
Os vencedores realizaram as semifinais e os perdedores passaram a decidir da 5ª a 8ª colocação. Os jogos das semifinais foram Centenário 5 x 2 Cavalo de Tróia e Estrela Solitária 3 x 2 Raça. Os outros jogos apresentaram os seguintes placares: Corinthians 3 x 0 Mengole e Juventus 2 x 1 Meninos da Vila.
Assim, os vencedores das semifinais realizaram a final. Aproveitando as chances de gol e contando com a sorte do seu adversário não marcar os gols que teve chance, o Estrela Solitária goleou o Centenário por 4 x 0.
Na decisão do 3º lugar, Cavalo de Tróia e Raça empataram em 1 x 1, resultado que deu a melhor classificação ao Cavalo de Tróia.
A Juventus venceu o Corinthians, por 2 x 0, e ficou com o quinto posto.
O sétimo lugar pertenceu ao Meninos da Vila, após vencer o Mengole, por 2 x 1.O próximo Challenger, o 7º de 2009, será realizado nos dias 2 e 6 de junho.

LUCIANO CONQUISTA 5º MULAMBO

Seis técnicos disputaram o 5º Mulambo de 2009, realizado no dia 26 de maio último.
No sistema eliminatório simples (mata-mata), os resultados da primeira rodada foram esses:
Paulo César Faria (Amigos) 3 x 1 Antônio Carlos Almeida (Verdão), Roberto Pessoa (Napoli) 3 x 2 Marcelo Porto (Araçatuba) e Luciano Sampaio (Sampa) 3 x 2 Alcides Figueira Filho (Palmeiras).
Na segunda rodada, Luciano Sampaio foi o “bye” e Paulo César goleou Roberto, por 4 x 0.
A decisão, entre Luciano e Paulo César, apresentou a vitória de Luciano, por 3 x 1.

quarta-feira, 20 de maio de 2009

HOMENAGENS AOS BOTONISTAS QUE JÁ NOS DEIXARAM

A Diretoria Técnica da Federação Brasiliense de Futebol de Mesa tem por tradição homenagear botonistas que já nos deixaram, que estão batendo uma bolinha no céu, dando seus nomes aos torneios Challengers disputados em cada ano. Em 2009, os homenageados são:

1º - LOURIVAL COUTO
2º - DAVID MALCHER
3º - JOÃO RESENDE
4º - JOSÉ CARLOS LIBÓRIO
5º - DILSON MEDEIROS
6º - SÉRGIO NETTO
7º - VOLTAIRE GOMES
8º - PAULO SÉRGIO NADER
9º - ÉLCIO GOBATTO
10º - WALTER MORGADO
11º - ÁLVARO LOBO
12º - FRANCISCO VIDAL

ESTRELA SOLITÁRIA É O CAMPEÃO DO 5º CHALLENGER

Disputado nos dias 12 e 16 de maio últimos, o 5º Challenger de 2009 (Taça “Dilson Medeiros”) contou com a participação de 21 técnicos. O destaque foi a estréia dos técnicos Rafael Cabral (Malta) e Samuel Faria (Hooligans).
Na Primeira Fase os participantes foram divididos em sete grupos iguais, cada um com três técnicos. Conforme previsto no regulamento do torneio, classificavam-se para a Segunda Fase os primeiros colocados, automaticamente, e o melhor segundo colocado entre todos os grupos.
Os grupos e as respectivas classificações foram as seguintes:

GRUPO A – 1º Antônio Carlos Almeida (Verdão), 4 pontos ganhos; 2º Roberto Pessoa (Napoli), 4 e 3º Marcelo Porto (Araçatuba), 0.

GRUPO B – 1º Marcelo Silva (Titânico), 4; 2º Tarcízio Dinoá Junior (Centenário), 2 e 3º Paulo César Faria (Amigos), l.

GRUPO C – 1º Adolpho Parente (Cavalo de Tróia), 6; 2º Sérgio Motta (Mengole), 3 e 3º Washington Pires (Fogão), 0.

GRUPO D – 1º Marcelo Ferreira (Izalci), 4; 2º Marco Antônio Tierno (Mandrake), 3 e 3º Rodrigo Caruso (Meninos da Vila), 1.

GRUPO E – 1º Marcelo Motta (Raça), 6; 2º Luiz Cláudio Caruso (Triturador), 3 e 3º Wellington Cristiano (Urubu), 0.

GRUPO F – 1º Luciano Sampaio (Sampa), 6; 2º Pedro Thuin (Os Miseráveis), 3 e 3º Rafael Cabral (Malta), 0.

GRUPO G – 1º José Ricardo Almeida (Estrela Solitária), 4; 2º Jan Buarque (Corinthians), 4 e 3º Samuel Faria (Hooligans), 0. Deste grupo saiu o segundo melhor colocado.

Os técnicos Luciano Sampaio e Marcelo Ferreira não compareceram para disputar os jogos da Segunda Fase e foram substituídos por Roberto Pessoa e Sérgio Motta, respectivamente.
Os jogos da primeira rodada foram os seguintes: Verdão 2 x 1 Titânico, Cavalo de Tróia 1 x 1 Corinthians (o empate favoreceu o Cavalo de Tróia), Raça 4 x 1 Napoli e Estrela Solitária 1 x 0 Mengole.
Os vencedores passaram a disputar da primeira a quarta posição e apresentaram os seguintes resultados: Verdão 2 x 0 Cavalo de Tróia e Estrela Solitária 4 x 0 Raça. Com isso, classificaram-se para a final Verdão e Estrela Solitária. Um empate de 2 x 2 deu o título ao Estrela Solitária. O técnico do Raça, Marcelo Motta, precisou ausentar-se e não disputou o terceiro lugar, que coube ao Cavalo de Tróia.
Pela disputa do 5º ao 8º lugar, a primeira rodada foi composta de dois empates: Corinthians 1 x 1 Titânico e Napoli 2 x 2 Mengole, resultados que favoreceram Corinthians e Napoli, que disputaram a quinta colocação. Vitória do Corinthians por 2 x 0. Na disputa do sétimo lugar, o Mengole fez 2 x 1 sobre o Titânico.

quinta-feira, 7 de maio de 2009

TARCÍZIO É O NOVO CAMPEÃO BRASILEIRO


Com todos os méritos (invicto, após onze vitórias e um empate), Tarcízio Dinoá Junior, técnico da AABB, de Brasília (DF), conquistou o título de campeão do XXII Campeonato Brasileiro Individual de Futebol de Mesa, realizado em Brasília, de 1º a 3 de maio de 2009.
Quarenta e oito técnicos disputaram a competição representando clubes das cidades de Americana (SP): Rio Branco, Belo Horizonte (MG): Grêmio Mineiro e Liberdade, Brasília (DF): AABB, Goiânia (GO): Atlético Goianiense, Juiz de Fora (MG): Tupi e Vianna Junior e São José do Rio Preto (SP): América.
Na primeira fase, foram divididos em oito grupos, cada um com seis técnicos, dos quais os quatro primeiros colocados passariam a disputar a Taça de Ouro e os outros dois (5º e 6º) iriam para a Taça de Prata.
Os grupos e as respectivas classificações da Primeira Fase foram:

GRUPO A
1º Marcelo Motta (AABB), 13 pontos ganhos; 2º Adolpho Parente (AABB), 9; 3º Alcides Figueira Filho (AABB), 9; 4º José Pires (Tupi), 5; 5º Adelmo Baltazar (Grêmio Mineiro), 4; e 6º Rômulo Divino (Atlético-GO), 1.

GRUPO B
1º Leonardo Stumpf (Tupi), 13; 2º Antônio Carlos Almeida (AABB), 9; 3º João Eduardo (Vianna Junior), 8; 4º Sérgio Motta (AABB), 6; 5º Rodrigo Roriz (Atlético-GO), 5; e 6º Paulo Roberto Holanda (AABB), 1.

GRUPO C
1º Lorival Ribeiro (Liberdade), 13; 2º Luciano Sampaio (AABB), 12; 3º Eduardo Almeida (AABB), 9; 4º Luiz Cláudio Caruso (AABB), 5; 5º Benjamin Abaliac (Grêmio Mineiro), 4; e 6º Wagner Ricardo (Atlético-GO), 0.

GRUPO D
1º Vander Felipe (Grêmio Mineiro), 13; 2º José Luís Mendonça (América), 11; 3º Breno Ribeiro (Liberdade), 7; 4º Marcelo Silva (AABB), 7; 5º Thiago José (Atlético-GO), 4 e 6º José Amâncio (Vianna Junior), 0.

GRUPO E
1º Sibélius Bernardes (Vianna Junior), 13; 2º Luiz Humberto Magrini (Rio Branco), 12; 3º Paulo César Faria (AABB), 10; 4º Marcelo Ferreira (AABB), 6; 5º Rodrigo Guimarães (AABB), 3 e Alberto Chaer (Atlético-GO), 0.

GRUPO F
1º Tarcízio Dinoá Junior (AABB), 15; 2º Rodrigo Caruso “Digão” (AABB), 9; 3º Robson Viana (Vianna Junior), 9; 4º Rodrigo Victor “Terô” (Liberdade), 4; 5º Brunno Gill (Tupi), 4 e 6º Fábio Marques (Atlético-GO), 3.

GRUPO G
1º Jan Buarque (AABB), 10; 2º José Ricardo Almeida (AABB), 10; 3º Sérgio Falcometa (Vianna Junior), 8; 4º Paulo Sérgio Cardoso (Liberdade), 6; 5º Gilney Medeiros (Rio Branco), 5 e 6º Bernardo Pires (Tupi), 2.

GRUPO H
1º Marcos André Mendes (AABB), 13; 2º Marcus Motta (Tupi), 12; 3º Emerson Claudino (América), 10; 4º Francisco José (Atlético-GO), 4; 5º Roberto Pessoa (AABB), 2 e 6º Pedro Henrique (Liberdade), 1.

Os grupos da Segunda Fase da Taça de Ouro foram compostos da seguinte forma, com as respectivas classificações finais:

GRUPO I
1º Marcus Motta, 9 pontos ganhos; 2º Marcelo Ferreira, 4; 3º Marcelo Motta, 2 e 4º Eduardo Almeida, l.

GRUPO J
1º Leonardo Stumpf, 9; 2º Breno Ribeiro, 4; 3º José Ricardo Almeida, 3 e 4º Rodrigo Victor “Terô”, 1.

GRUPO K
1º Lorival Ribeiro, 7; 2º Alcides Figueira Filho, 4; 3º Paulo Sérgio Cardoso, 4 e 4º Rodrigo Caruso, 1.

GRUPO L
1º Luiz Humberto, 9; 2º Vander Felipe, 6; 3º João Eduardo, 1 e 4º Francisco José, 1.

GRUPO M
1º Sérgio Falcometa, 7; 2º Sibélius Bernardes, 6; 3º José Luís Mendonça, 4 e 4º José Pires, 0.

GRUPO N
1º Tarcízio Dinoá Junior, 9; 2º Emerson Claudino, 6; 3º Luciano Sampaio, 1 e 4º Sérgio Motta, 1.

GRUPO O
1º Paulo César Faria, 7; 2º Antônio Carlos Almeida, 4; 3º Luiz Cláudio Caruso, 4 e 4º Jan Buarque, 1.

GRUPO P
1º Adolpho Parente, 5; 2º Robson Viana, 4; 3º Marcelo Silva, 4 e 4º Marcos Mendes, 2.

Já a Taça de Prata teve as seguintes classificações em seus quatro grupos:

GRUPO Q
1º Pedro Henrique, 9; 2º Adelmo Balthazar, 6; 3º José Amâncio, 3 e 4º Rodrigo Guimarães, 0.

GRUPO R
1º Rodrigo Roriz, 9; 2º Brunno Gill, 4; 3º Bernardo Pires, 4 e 4º Wagner Ricardo, 0.

GRUPO S
1º Gilney Medeiros, 9; 2º Benjamin Abaliac, 6; 3º Fábio Marques, 3 e 4º Paulo Roberto Holanda, 0.

GRUPO T
1º Roberto Pessoa, 7; 2º Thiago José, 7; 3º Alberto Chaer, 3 e 4º Rômulo Divino, 0.

A terceira fase (oitavas-de-final) da Taça de Ouro foi disputada no formato semelhante ao da Taça Libertadores da América, ou seja, o técnico de melhor campanha nas duas primeiras fases enfrentaria o técnico de pior campanha na primeira fase, ou o 16º colocado, o segundo jogaria contra o 15º e assim por diante, até o encontro entre a oitavo e nona campanhas na duas primeiras fases. No caso de empate, levaria vantagem o técnico de melhor campanha.
Os resultados foram estes:
Tarcízio 4 x 2 Marcelo Ferreira, Stumpf 1 x 2 Breno, Luiz Humberto 1 x 1 Alcides, Marcus 2 x 1 Robson, Lorival 1 x 2 Antônio Carlos, Sibelius 1 x 2 Adolpho, Vander 5 x 1 Falcometa e Emerson 5 x 0 Paulo César. Os vencedores e mais Luiz Humberto garantiram vaga nas quartas-de-final.
Na Taça de Prata os encontros foram os seguintes:
Rodrigo Roriz 0 x 2 Brunno Gill, Gilney 1 x 1 Roberto Pessoa, Thiago 6 x 1 Adelmo e Pedro Henrique 3 x 1 Benjamin
As emoções aumentaram nesta fase. Em jogo cheio de alternativas, Tarcízio venceu Breno por 4 x 3. Antônio Carlos começou vencendo Marcus, que virou para 2 x 1, aconteceu o empate em 2 x 2, resultado que deu a classificação a Marcus. Adolpho também começou ganhando de Luiz Humberto, manteve o placar no primeiro tempo, sofreu o empate logo no início do segundo e a virada para 2 x 1, placar que deu ao Luiz Humberto uma vaga nas semifinais. No quarto jogo da fase, Vander e Emerson disputaram um jogo bastante equilibrado, com vitória do primeiro, por 2 x 1.
Nas semifinais da Taça de Prata, Brunno Gill fez 2 x 0 em Gilney e Pedro Henrique marcou 3 x 2 em Thiago.
Em jogo bastante disputado e muito nervoso, Brunno Gill venceu Pedro Henrique por 1 x 0, e ficou com o título de campeão da Taça de Prata.
Na Taça de Ouro, dois jogos de perder o fôlego: Tarcízio venceu Vander, por 2 x 1, e Marcus derrotou Luiz Humberto, por 3 x 2.
Chegamos ao momento máximo do Campeonato Brasileiro, a grande final, envolvendo um técnico que ali chegava pela primeira vez, Tarcízio, contra o já duas vezes campeão brasileiro Marcus (1996 e 2004).
Como era esperado, foi um belo jogo, com lances de muita precisão e técnicas apuradíssimas. Com a torcida ao seu lado, Tarcízio marcou primeiro. Ainda no primeiro tempo, com uma bola rolada, Marcus empatou. Veio o segundo tempo, os últimos 25 minutos para decidir quem seria o campeão. O nervosismo aumenta, a ansiedade também, o relógio parece que não passa para quem joga pelo empate (Tarcízio).
Dentro do seu padrão de jogo ofensivo, Tarcízio arriscou uma jogada em branco e não deu sorte, com a bola batendo num jogador de Marcus e permanecendo na sua defesa. Marcus aproveitou-se para virar o jogo. Restava a Tarcízio correr atrás do prejuízo e buscar o empate. Este aconteceu após mais uma arriscada jogada em branco e, depois de uma bela armação de jogada, veio o empate. Continuaram acontecendo lances de armações de jogada que poderiam terminar em chutes a gol. Mas, para a felicidade de Tarcízio, o placar não foi alterado e ele pôde comemorar o seu primeiro título de campeão brasileiro. Com isso, torna-se o 14º botonista a conquistar tal feito, passando a fazer parte de um seleto grupo de vencedores, juntando-se ao supercampeão Lorival Ribeiro (com cinco títulos), Vander Felipe (três), Bruno de Castro e Marcus Motta (dois), Benjamin Abaliac, Carlos Alberto Tavares, Carlos Antônio Miranda, Edson Meinel, Hélio Nogueira, José Pires, Paulo Marcos, Thiago Stephan e Leonardo Stumpf, todos com um título de campeão.
Ainda que com pequenas e naturais “rusgas”, o campeonato transcorreu dentro de um clima de amizade e respeito, tendo sua programação cumprida rigorosamente devido ao eficiente trabalho de Stumpf e do mesário Rafael Cabral.

Os dez primeiros colocados do XXII Campeonato Brasileiro Individual de Futebol de Mesa foram:
CAMPEÃO: Tarcízio Dinoá Junior
VICE-CAMPEÃO: Marcus Motta
3º Luiz Humberto Magrini
4º Vander Felipe
5º Adolpho Parente
6º Antônio Carlos Almeida
7º Emerson Claudino
8º Breno Ribeiro
9º Leonardo Stumpf
10º Lorival Ribeiro

quarta-feira, 29 de abril de 2009

LUIZ CLÁUDIO O GRANDE CAMPEÃO DA COPA DF



Luiz Cláudio Caruso (Triturador) é o grande campeão da Copa DF 2009, título conquistado na noite de 28 de abril último.
Vinte e dois técnicos se inscreveram para a disputa da quinta edição da Copa DF Individual de 2009, realizada no período de 14 a 28 de abril de 2009.
Na primeira fase (disputada nos dias 14, 18 e 21 de abril de 2009), os vinte e dois técnicos foram divididos em dois grupos iguais, que tiveram as seguintes colocações finais:

GRUPO A:
1º José Ricardo Almeida (Estrela Solitária), 26 pontos ganhos; 2º Antônio Carlos Almeida (Verdão), 23; 3º Paulo César Faria (Amigos), 20; 4º Jan Buarque (Corinthians), 19; 5º Marcelo Motta (Raça), 17; 6º Rodrigo Caruso (Meninos da Vila), 16; 7º Marcelo Silva (Titânico), 16; 8º Paulo Roberto Holanda (Leão do Norte), 10; 9º Roberto Pessoa (Napoli), 7; 10º Wawá Martins (Máquina Tricolor), 3 e 11º Rodrigo Guimarães (RMG), 0 (obs.: o RMG inscreveu-se e não compareceu para realizar nenhum de seus jogos).

GRUPO B:
1º Luiz Cláudio Caruso (Triturador), 23; 2º Adolpho Parente (Cavalo de Tróia), 22; 3º Tarcízio Dinoá Junior (Centenário), 20; 4º Eduardo Almeida (Juventus), 18; 5º Washington Pires (Fogão), 14; 6º Marcos Mendes (Gladiadores); 13; 7º Sérgio Motta (Mengole), 13; 8º Luciano Sampaio (Sampa), 12; 9º Marcelo Ferreira (Izalci), 12; 10º Marco Antônio Tierno (Mandrake), 5 e 11º Donisete Medeiros (Távola), 2.

Conforme o regulamento estabelecia, classificaram-se os quatro primeiros colocados de cada grupo para continuarem disputando a Taça de Ouro e do quinto ao oitavo colocado a Taça de Prata.
Assim, os qualificados para a segunda fase (disputada em 25 de abril de 2009) da Copa DF foram os técnicos José Ricardo Almeida, Antônio Carlos Almeida, Paulo César Faria e Jan Buarque no Grupo A e Luiz Cláudio Caruso, Adolpho Parente, Tarcízio Dinoá Junior e Eduardo Almeida no Grupo B, que deveriam disputar a Taça de Ouro. A Taça de Prata seria integrada pelos técnicos do 5º ao 8º lugar nos grupos A e B. Seriam eles: Marcelo Motta, Rodrigo Caruso, Marcelo Silva e Paulo Roberto Holanda no A e Washington Pires, Marcos Mendes, Sérgio Motta e Luciano Sampaio no B.
Por problemas pessoais, Tarcízio não pôde comparecer, mesma situação de Marcelo Motta, Washington Pires e Marcos Mendes. Com isso, Sérgio Motta passou para a Taça de Ouro, e Roberto Pessoa e Marco Antônio Tierno para a Taça de Prata.
A segunda fase previa o cruzamento de um grupo contra o outro, ou seja, todos os técnicos do Grupo A jogaram contra os do Grupo B. Classificavam-se os dois primeiros colocados de cada grupo para o quadrangular final, tanto na Taça de Ouro quanto na de Prata.
No Grupo C, a classificação final foi a seguinte: 1º José Ricardo Almeida, 10 pontos ganhos; 2º Jan Buarque, 9; 3º Paulo César Faria, 7 e 4º Antônio Carlos Almeida, 3.
O Grupo D foi vencido por Eduardo Almeida, com 9 pontos ganhos, seguido de Luiz Cláudio Caruso, com 5, Adolpho Parente com 3 e Sérgio Motta, sem ponto.
Na Taça de Prata, o Grupo E apresentou em 1º lugar Rodrigo Caruso, com 8 pontos ganhos, Marcelo Silva, com 8, também, Paulo Roberto Holanda com 6 e Roberto Pessoa, com 5.
No Grupo F o primeiro colocado foi Luciano Sampaio, com 8, Marcelo Ferreira ficou em segundo, com 6, Marco Antônio Tierno com um e Marcos Mendes (que não compareceu), com 0.
Dois quadrangulares finais (terceira fase, realizada em 28 de abril de 2009) decidiram a competição e apresentou os seguintes resultados na Taça de Ouro:
Triturador 2 x 1 Estrela Solitária, Juventus 3 x 0 Corinthians, Triturador 2 x 2 Juventus, Estrela Solitária 1 x 0 Corinthians, Estrela Solitária 2 x 0 Juventus e Triturador 2 x 1 Corinthians.
Esses resultados deram o título de campeão da 5ª Copa DF ao técnico Luiz Cláudio Caruso (Triturador), que terminou o quadrangular final com sete pontos ganhos, seguido pelo vice-campeão José Ricardo Almeida (Estrela Solitária), com 6, pelo terceiro colocado Eduardo Almeida (Juventus), com 4 e pelo quarto colocado Jan Buarque (Corinthians), que não marcou ponto.
A Taça de Prata teve os seguintes confrontos: Izalci 2 x 0 Meninos da Vila, Titânico 3 x 0 Sampa, Izalci 1 x 1 Sampa, Meninos da Vila 1 x 0 Titânico, Sampa 2 x 0 Meninos Da Vila e Titânico 5 x 0 Izalci.
Com isso, Marcelo Silva (Titânico) ficou com a primeira colocação, com 6 pontos ganhos; Luciano Sampaio (Sampa) e Marcelo Ferreira (Izalci), ficaram com 4 pontos ganhos, com o critério de desempate saldo de gols favorecendo Luciano Sampaio, e Rodrigo Caruso (Meninos da Vila), na quarta colocação, com 3.

quarta-feira, 8 de abril de 2009

1º MASTERS SERIES OURO DE 2009 É DO ESTRELA SOLITÁRIA

Disputado nos dias 4 e 7 de abril, o 1º Masters Series Ouro de 2009 reuniu os seis técnicos mais bem colocados no Ranking da F.B.F.M., qualificados após a realização dos quatro primeiros Challengers do ano. Foram eles: Adolpho Parente (Cavalo de Tróia), José Ricardo Almeida (Estrela Solitária), Marcos Mendes (Gladiadores), Paulo César Faria (Amigos), Rodrigo Guimarães (RMG) e Tarcízio Dinoá Junior (Centenário).
No sistema “todos contra todos”, realizaram jogos bem equilibrados e que levaram a decisão do torneio para a quinta e última rodada.
Realizadas três rodadas no dia 4, o Estrela Solitária passou a ser líder, com 7 pontos ganhos, seguido do Amigos com 5, Cavalo de Tróia, Gladiadores e Centenário com quatro e RMG sem ponto ganho.
No segundo dia de competição (7), na quarta rodada, por alguns minutos, Paulo César estava se tornando campeão do torneio. Seu próximo adversário, Rodrigo, não pôde comparecer por problemas profissionais. Paulo César atuava contra José Ricardo e chegou a abrir vantagem de dois gols, já no segundo tempo. Se terminasse assim, combinado com o WO a seu favor na próxima rodada, chegaria aos inalcançáveis onze pontos ganhos. Mas, José Ricardo reagiu e chegou ao empate. Na outra mesa Tarcízio venceu Marcos e Adolpho foi beneficiado com o WO. Resultado: José Ricardo passou a ter oito pontos, Adolpho e Tarcízio foram para sete e Paulo César ficou com seis.
Na última rodada, os jogos seriam Estrela Solitária x Centenário e Gladiadores x Cavalo de Tróia (o outro foi o WO a favor de Paulo César sobre Rodrigo).
Além da preocupação natural com o nível técnico dos seus adversários, estavam todos de olho na outra mesa, torcendo para que uma combinação de resultados lhe fosse favorável no final dos 50 minutos.
Na mesa 4, o Centenário abriu o marcador, o Estrela Solitária virou para 2 x 1 e o Centenário chegou ao empate em 2 x 2.
Com esse resultado, na mesa 2, o Cavalo de Tróia tinha que ganhar do Gladiadores para conquistar o título. Mas, não foi o que aconteceu. O Gladiadores venceu por 1 x 0 e o título de campeão do 1º Masters Series Ouro foi para o Estrela Solitária.Estrela Solitária e Amigos somaram os mesmos nove pontos ganhos, sendo que o primeiro teve um saldo de 6 gols contra 3 do seu adversário, que ficou com o vice-campeonato. O Centenário ficou em terceiro, com 8 pontos ganhos, o Cavalo de Tróia em 4º com 7 (e saldo de 1 gol), o Gladiadores em 5º com 7 (com déficit de 1 gol) e o RMG na sexta e última colocação, sem conseguir pontuar.

VERDÃO CAMPEÃO DO MASTERS SERIES PRATA

Também nos dias 4 e 7 de abril foi disputado o 1º Masters Series Prata, reunindo os técnicos colocados do 7º ao 18º lugar no Ranking da F.B.F.M., também apurados após a realização dos quatro primeiros Challengers.
Cabe registrar que Luciano Sampaio (Sampa) e Marcelo Porto (Araçatuba) ficaram entre esses classificados mas, contratempos relacionados a faculdade onde estuda, no caso do primeiro, e profissionais, no caso do segundo, os impediram de estar presentes.
Na primeira fase, realizada no dia 4, os doze técnicos foram divididos em quatro grupos, a saber, com suas respectivas classificações finais:
Grupo A – 1º Antônio Carlos Almeida (Verdão), 9 pontos ganhos; 2º Marcelo Motta (Raça), 6; 3º Paulo Roberto Holanda (Leão do Norte), 3 e 4º Donisete Medeiros (Távola), 0.
Grupo B – 1º Eduardo Almeida (Juventus), 6 pontos ganhos (saldo de 6); 2º Luiz Cláudio Caruso (Triturador), 6 (saldo de 4); 3º Roberto Pessoa (Napoli), 6 (déficit de 1) e 4º Washington Pires (Fogão), 0.
Grupo C – 1º Sérgio Motta (Mengole), 7 pontos ganhos; 2º Marcelo Silva (Titânico), 6; 3º Rodrigo Caruso (Meninos da Vila), 4 e 4º Marcelo Ferreira (Izalci), 0. Obs.: Marcelo Ferreira não compareceu para disputar seus jogos.
O Regulamento do torneio estabelecia que os dois primeiros colocados de cada grupo e os dois melhores terceiros passariam para a Segunda Fase, disputada no sistema “mata-mata”, com os técnicos de melhor campanha na fase anterior levando a vantagem do empate.
Os confrontos apresentaram os seguintes resultados: Verdão 4 x 2 Napoli, Meninos da Vila 2 x 1 Juventus, Triturador 2 x 2 Titânico (o empate favoreceu o Triturador) e Mengole WO x 0 Raça (era aniversário da esposa do Marcelo e ele, com toda a prudência possível, não pôde comparecer...).
Os resultados das semifinais foram: Verdão 5 x 2 Triturador, Mengole 3 x 0 Meninos da Vila, Titânico 1 x 1 Napoli (o empate favoreceu o Titânico) e Juventus WO x 0 Raça.
Na decisão do torneio, o Mengole esteve bem perto de conquistar o título. Vencia por 1 x 0 já no segundo tempo, quando foi assinalado um pênalti a seu favor. O desperdiçou e pagou caro por esse erro. Em dois lances muito parecidos (chute da ponta-direita no ângulo esquerdo do goleiro), o Verdão virou para 2 x 1 e sagrou-se campeão do Masters Series Prata.
Na decisão do 3º lugar, o Meninos da Vila não deu chances ao Triturador, vencendo-o por 2 x 0.Nas demais colocações, dois WO. Na disputa do quinto, a favor do Titânico sobre a Juventus e, na disputa do 7º lugar, do Napoli sobre o Raça.

sexta-feira, 3 de abril de 2009

DEFINIDOS OS PARTICIPANTES DOS MASTERS SERIES

Após a realização do 4º Challenger, foram definidos os participantes do 1º Masters Series, Ouro e Prata.
Os seis primeiros colocados do ranking, apurados após a realização de 4 Challengers, disputarão o Masters Series Ouro. Serão eles: José Ricardo Almeida (Estrela Solitária), Tarcízio Dinoá Junior (Centenário), Paulo César Faria (Amigos), Adolpho Parente (Cavalo de Tróia), Rodrigo Guimarães (RMG) e Marcos Mendes (Gladiadores). Esses disputarão o título do torneio no sistema “todos contra todos”.
Já os doze técnicos qualificados para disputarem o Masters Series Prata foram divididos, na primeira fase, em três grupos, a saber:
Grupo A – Marcelo Motta (Raça), Antônio Carlos Almeida (Verdão), Paulo Roberto Holanda (Leão do Norte) e Donisete Medeiros (Távola);
Grupo B – Eduardo Almeida (Juventus), Luiz Cláudio Caruso (Triturador), Washington Pires (Fogão) e Roberto Pessoa (Napoli);
Grupo C – Marcelo Silva (Titânico), Sérgio Motta (Mengole), Marcelo Ferreira (Izalci) e Rodrigo Caruso (Meninos da Vila).
Cabe registrar que disputam o Masters Series Prata os técnicos colocados do 7º ao 18º lugar do ranking. Por problemas particulares/profissionais, Luciano Sampaio (Sampa) e Marcelo Porto (Araçatuba), que estariam entre os doze, não poderão participar do torneio.
O torneio será disputado nos dias 4 (sábado) e 7 (terça-feira) de abril de 2009.

ESTRELA SOLITÁRIA VENCE O 4º CHALLENGER DE 2009

Vinte e três técnicos participaram do 4º Challenger de 2009, realizado nos dias 24 e 31 de março de 2009.
Na primeira fase foram divididos em 7 grupos, a saber (com as respectivas classificações):
Grupo A – 1º Adolpho Parente (Cavalo de Tróia), 2º Luciano Sampaio (Sampa), 3º Eduardo Almeida (Juventus) e 4º Thiago Brum (Mengão);
Grupo B – 1º Paulo César Faria (Amigos), 2º Sérgio Motta (Mengole), 3º Rodrigo Guimarães (RMG) e 4º Rodrigo Caruso (Meninos da Vila);
Grupo C – 1º Washington Pires (Fogão), 2º Antônio Carlos Almeida (Verdão) e 3º Roberto Pessoa (Napoli); Obs.: a primeira colocação desse grupo foi decidida no sorteio;
Grupo D – 1º Marcelo Ferreira (Izalci), 2º Marcos Mendes (Gladiadores) e 3º Marcus Amorim (Manto Sagrado);
Grupo E – 1º Marcelo Motta (Raça), 2º Alcides Figueira Filho (Palmeiras) e 3º Donisete Medeiros (Távola);
Grupo F – 1º Tarcízio Dinoá Junior (Centenário), 2º Luiz Cláudio Caruso (Triturador) e 3º Marcelo Silva (Titânico);
Grupo G – 1º José Ricardo Almeida (Estrela Solitária), 2º Paulo Roberto Holanda (Leão do Norte) e 3º Jan Buarque (Corinthians).
Conforme estabelecia o regulamento do torneio, classificavam-se para a Segunda Fase os primeiros colocados de cada grupo e o melhor segundo colocado dos grupos A e B, que foi o Luciano Sampaio (Sampa).
A segunda fase, no sistema “mata-mata”, apresentou os seguintes resultados em sua primeira rodada: Amigos 2 x 0 Cavalo de Tróia, Estrela Solitária 3 x 1 Izalci, Raça 6 x 0 Fogão e Sampa 1 x 1 Centenário (o empate favoreceu o Sampa, por ter melhor campanha na fase anterior).
Os vencedores desses jogos classificaram-se para disputar do 1º ao 4º lugar e os perdedores do 5º ao 8º. Os resultados da segunda rodada foram: Estrela Solitária 5 x 0 Amigos, Raça 2 x 1 Sampa, Cavalo de Tróia 2 x 1 Izalci e Centenário 3 x 0 Fogão.
Qualificaram-se para decidir o título do torneio Estrela Solitária e Raça. Com a sorte do seu lado, o Estrela Solitária venceu por 1 x 0 e conquistou o torneio. O Raça fez uma boa partida mas pecou nas finalizações a gol.
Na disputa do 3º lugar, o Amigos derrotou o Sampa por 2 x 1.
Cavalo de Tróia e Centenário empataram em 2 x 2 na disputa do 5º lugar, que acabou ficando com o Cavalo de Tróia, por ter melhor campanha que seu adversário em todo o torneio.Também aconteceu empate na disputa do 7º lugar entre Izalci e Fogão (1 x 1), resultado que deu o 7º lugar ao Izalci, também por ter melhor campanha em todo o torneio.

4º MULAMBO É DA JUVENTUS

Paralelamente a segunda fase do 4º Challenger, foi disputado o 4º Torneio Mulambo, que contou com a presença de 8 técnicos, a saber: Alcides Figueira Filho (Palmeiras), Donisete Medeiros (Távola), Eduardo Almeida (Juventus), Luiz Cláudio Caruso (Triturador), Paulo Roberto Holanda (Leão do Norte), Marcelo Silva (Titânico), Roberto Pessoa (Napoli) e Sérgio Motta (Mengole).
No sistema “mata-mata”, os resultados da primeira rodada foram: Mengole 1 x 0 Távola, Juventus 2 x 1 Triturador, Leão do Norte 0 x 0 Napoli (no sorteio, vitória do Leão do Norte) e Titânico 3 x 1 Palmeiras.
Nas semifinais, os jogos foram Juventus 0 x 0 Mengole (classificado a Juventus pelo melhor resultado na rodada anterior) e Titânico 4 x 0 Leão do Norte.Na final, entre Juventus e Titânico, vitória da Juventus por 3 x 1.

“OS MISERÁVEIS” VENCEM MULAMBO EXTRA

Na noite do dia 31 de março foi realizado um Torneio Mulambo "Extra", reunindo três técnicos que começaram a praticar a regra esse ano (Marcos - Mandrake, Thiago Brum - Mengão e Wellington - Urubu) e mais Pedro Thuin (Os Miseráveis), muito tempo afastado das mesas brasilienses.
Os resultados foram:
Mandrake 3 x 2 Urubu, Os Miseráveis 2 x 0 Mengão
Urubu 2 x 1 Mengão, Os Miseráveis 2 x 2 Mandrake
Mengão 3 x 3 Mandrake e Os Miseráveis 3 x 0 Urubu
O título ficou com Os Miseráveis, que somou sete pontos. O Mandrake ficou em segundo, com cinco, o Urubu em terceiro com três e o Mengão em quarto, com um ponto ganho.
É intenção da Diretoria Técnica da Federação Brasiliense de Futebol de Mesa promover outros torneios iguais a esse visando incentivar os novatos.